Homem Procura Companheira

Homem maduro, de bem com a vida, procura senhora jovem e bonita para fazer companhia e algo mais se assim surgir a oportunidade.
Tenho cinquenta anos. Casa própria. Não totalmente paga. Faltam ainda alguns, poucos, anos. Tenho carro. Comprado em leasing. Quase pago. Tenho também bicicleta mas para fazer exercícios em casa. Tenho a bicicleta na sala e pedalo enquanto vejo a novela das nove na TVI.
Tenho um pequeno café na periferia da cidade em bairro quase dormitório. É o único café nas redondezas. Está sempre cheio. Há sempre gente a ver os jogos de futebol à noite. Faço uns bons petiscos. Principalmente Pica-Pau. No Verão aposto nos caracóis. Vem gente de fora para comer os meus caracóis. Ao lado também tenho um pequeno negócio de aluguer de filmes em DVD que já teve melhores dias mas que ainda funciona.
Não tenho filhos, pelo menos que eu saiba.
Fui casado. Duas vezes. Foram elas que se foram embora. Não sei porquê. Nunca lhes faltei com nada em casa. Mas não lhes guardei rancor. Nem deixei de gostar de senhoras. Tenho-lhes muito respeito e amor.
Vou sempre à missa ao Domingo de manhã.
Às vezes vou ao cinema ao Shopping, mas não gosto muito dos filmes actualmente. Nem gosto do cinema português. Gostava muito dos filmes com o Vasco Santana, o António Silva e a Beatriz Costa. Agora os filmes portugueses são muito chatos.
Tiro férias em Agosto e passo uma semana na praia da Vieira.
Estou sempre à espera da noite de Santo António para comer as primeiras sardinhas do ano. As sardinhas são o meu prato favorito. Mas também gosto de chanfana. De borrego. De lampreia. Sou boa boca e como de tudo um pouco.
Gosto do Benfica. Do Tony Carreira e do José Cid. Das novelas da TVI e da Cristina Ferreira que agora tenho de procurar na SIC de manhã enquanto sirvo as meias-de-leite às senhoras aqui do bairro.
Ainda tenho cabelo, embora já não tão forte nem tão abundante como antigamente. Não fumo e o cheiro do tabaco enjoa-me. Não gosto de beijar senhoras que fumem. Não gosto do cheiro do tabaco entranhado nas roupas. A proibição de fumar nos cafés foi a melhor decisão política depois da revolução.
Bebo pouco. Uma cerveja de vez em quando. Um copo de vinho às refeições. Um whiskey à noite. Um vodka de vez em quando.
Fiz o nono ano. À noite.
Não gosto muito de ler livros. Mas leio o Correio da Manhã e A Bola todos os dias.
Tenho votado sempre em todas as eleições, normalmente no PSD, mas também já votei no PS e no CDS. Nos comunistas é que nunca votei. E espero nunca votar. Não gosto de comunistas. Mas já não sei se devo continuar a votar. A política deixa-me desgostoso. Eles são todos iguais. Só querem encher-se.
Levanto-me todos os dias às seis e meia da manhã para abrir o café às sete. O café abre todos os dias do ano, mesmo no Natal e no Ano Novo.
A minha mãe ainda vive comigo. Mas não incomoda. Está acamada. É só preciso levar a comida à cama. Dar-lhe à boca. Dar-lhe banho uma vez por semana. Mas fora isso, é uma doçura de senhora.
Também tenho um cão. Está preso à casota. É só preciso limpar os cocós todos os dias. E ele come os restos do café.
Não gosto de jogar e também nunca fui muito afortunado ao jogo. É por isso que ainda acredito que vou encontrar o amor. Como se costuma dizer, azar ao jogo sorte ao amor.

[escrito directamente no facebook em 2019/06/07]

Anúncios

Enquanto Ela Faz uma Panela de Sopa

Ela anda de um lado para o outro na cozinha a preparar uma sopa. Corta uns legumes. Batatas. Cenouras. Bocados de uma abóbora. A um canto da bancada, uma pequena televisão debita um qualquer programa da tarde que acompanha a espaços, enquanto vai colocando as coisas que preparou numa panela. Pega num copo de vinho branco e beberica um pouco. Olha para trás. Para mim. Sorri.
Eu estou aqui, também. Estou na cozinha. Estou sentado à mesa da cozinha e olho-a a preparar a sopa. Também tenho um copo de vinho branco. Mas bebo tudo de um trago. Volto a encher o copo. Sou eu que tenho a garrafa. E vou despejando-a à velocidade da luz.
Tenho um livro à frente. Tenho um livro sobre Charlotte Salomon à minha frente. Um livro sobre a vida e a arte de Charlotte Salomon. Para ler. Para ver. Para apreciar as suas pinturas. Mas não consigo. O livro mantem-se fechado. Aprecio o vai-e-vem dela enquanto prepara a sopa.
Pára por momentos em frente à televisão para ouvir melhor algo que lhe prendeu a atenção. Depois diz-me qualquer coisa. Se calhar relacionado com o que acabou de ouvir. Mas eu não ouço. Não consigo ouvir. Vejo-a. Vejo-a só. Vejo-a a falar para mim. E a continuar a cirandar na cozinha, de um lado para outro. A mexer em objectos que não conheço. Corta. Barra. Mistura. Despeja. Acende. Tritura. Separa. Lixo. Ufa.
Aproxima-se de mim e coloca-me à frente um prato com petiscos. Umas tostas barradas com queijo-creme, salmão fumado, cebolinho, limão.
A quantidade de coisas que consegue fazer ao mesmo tempo é assustadora. Eu não consigo fazer mais que olhar para ela.
Então, viro-me na mesa e deito o copo para o chão. Estilhaça-se. Estava vazio. Menos mal. Mas já ela vem com uma pá. Uma vassoura. Apanha os bocados de vidro. Depois traz uma esfregona e limpa o chão. Também não havia muito para limpar. Se não se fizesse nada, daqui a pouco estava seco. Mas ela limpa. Seca. E eu fico ali, fascinado, a vê-la pôr ordem no caos.
Já tenho outro copo à frente. Com vinho branco. Ele agarra o dela. Pede um brinde. Levanto o copo. Levantamos. Tocam um no outro. Ela bebe um golo. Eu volto a despejar o copo. Tenho de moderar a bebida.
Não estou embriagado. Tenho sede. E o vinho escorre pela garganta abaixo.
Volto a olhar para a Charlotte Salomon, ali à minha espera. À espera da minha atenção.
Ele tira-me o livro da frente. Põe a mesa. Dois pratos para sopa. Duas colheres. Um frasco de azeite. Umas azeitonas. Desliga o fogão. Acende um cigarro. Oferece-mo. Acende outro para ela. Pega-me na mão e leva-me para a varanda. Está frio. Um frio de rachar. Ela agarra-se a mim. Enfia-se debaixo do meu braço. Quer o meu calor. Fumamos os cigarros. Batemos o dente. Rimos da estupidez de estarmos ali ao frio. Acabamos de fumar. Deitamos as beatas fora. Voltamos para dentro de casa. Ela pega numa concha e coloca sopa nas duas taças. Põe-lhes umas azeitonas. Um fio de azeite.
Sentamos-nos em frente às malgas de sopa. Vimos o fumo a subir até ao tecto. Sopramos. Esperamos. Esperamos que arrefeça um pouco.
Eu vejo-a comer. Devagar. Devagarinho. Sopra. Arrefece.
E eu esqueço-me de comer a minha.

[escrito directamente no facebook em 2019/01/07]

Os Santos Populares Consumiram-me o Juízo

Estávamos a meio dos anos noventa e eu vivia numas águas furtadas num pequeno largo de um bairro popular.
A cidade ainda não era turística como é hoje, mas as festas dos santos, principalmente a de Santo António, eram de arromba e arrastavam gente de todo o lado.
Foi numa dessas festas que tudo aconteceu.
A culpa foi minha. Mas não foi totalmente minha.
Estava em casa e parecia estar na rua. Um grupo de música tocava êxitos populares e fazia dançar as pessoas ali, na praça. Havia sardinha assada e broa de milho. Cerveja. Vinho tinto. Gente aos berros. Gente muito bem disposta, alegre e com vontade de se divertir, nem que fosse à bruta.
A música entrou-me pela casa dentro e não me deixava ouvir os pensamentos. O odor a sardinha assada entranhou-se na roupa. No sofá. Nos lençóis da cama.
À varanda recebia o cheiro enjoativo do vinho tinto e da cerveja derramados. O pior era mesmo no dia seguinte, com o chão a transpirar esses vapores etílicos. E o vomitado na praça, nos canteiros, à entrada de casa. As beatas formavam uma passadeira de restos frios do tabaco da véspera. Mais umas espinhas. Pequenas poças de líquidos vários. Urina por todo o lado. Preservativos.
E isto manteve-se assim por vários dias.
Vários dias a moer-me o juízo.
Vários dias a consumir-me.
Até já não aguentar mais.
No último dia fui buscar a espingarda de caça que o meu pai me deixou como herança.
Arranjei umas cervejas frescas. Uns snacks. Um volume de tabaco. Uma caixa de fósforos. Das grandes.
Coloquei-me deitado na varanda, com a espingarda apontada à praça. Bebi umas cervejas. Petisquei. Fui fumando desalmadamente.
Esperei que a música começasse.
Aguentei, de novo, o cheiro das sardinhas assadas.
Mal começou o bailarico, disparei o primeiro tiro para o cantor, que caiu logo no chão. Ao princípio, ninguém percebeu muito bem o que tinha acontecido. A banda ainda continuou durante algum tempo a tocar. À espera que o vocalista se levantasse e retomasse a canção.
Só perceberam o que se estava a passar quando disparei sobre uma rapariga que estava a dançar sozinha frente ao palco. E logo depois no homem que estava a assar as sardinhas.
Depois foi o caos. Disparei a torto e a direito, mirando alvos aleatórios, sem procurar ninguém em especial. Apontando a quem se mexesse. E toda a gente se mexia. Corriam de um lado para o outro sem saber de onde vinham os tiros. Escondiam-se atrás uns dos outros, atrás das árvores, dos caixotes de lixo, das placas, viraram para ruas e travessas, atropelaram-se uns aos outros e acabou por morrer mais gente na confusão da fuga que com os tiros da minha espingarda.
Bebi mais umas cervejas. Fumei mais uns cigarros. E disparei mais uns tiros.
Lá acabou por aparecer a polícia. Os bombeiros. Os paramédicos. Mas só me descobriram quando chegou a polícia especial.
Cercaram-me. Distraíram-me com tiros na minha direcção. Atraíram-me.
Acabaram por conseguir entrar em casa e apanharam-me vivo. Nunca me passou pela cabeça o suicídio.
Apanhei vinte e cinco anos.
Estou quase há vinte e cinco anos na cadeia.
Sobrevivi a tudo, aqui.
Não tive redução de pena. Nem licenças precárias.
Estou quase a ser um homem livre.
Vou voltar para casa.
Estou curioso para rever os meus vizinhos.
Será que se lembram de mim?

[escrito directamente no facebook em 2018/06/04]