Uma Concentração de Taxistas

Parecia uma concentração de taxistas. A rotunda estava cheia de carros pretos com o tejadilho verde. Estavam todos parados. Parados à volta da rotunda. Mas cada vez mais entravam carros novos. Táxis. Não sei para onde é que se enfiavam. Não via os carros no interior da rotunda mexer. Mas estavam sempre a entrar carros novos. Talvez se encolhessem. Talvez entrassem numa outra dimensão. Talvez fosse uma ilusão de óptica e não entrasse nenhum carro novo. Ou entrava e os carros na rotunda circulavam e eu é que tinha a sensação que não. Não sei. Talvez. É estranho.
Eu entrei na rotunda vindo de cima. Da rua de cima. Queria cruzar a rotunda. Ir para o outro lado. E voltar a subir na rua em frente.
Comecei a caminhar pelo passeio. A circundar a rotunda. Passei pela pastelaria. Pelo quiosque. Pelo carro da polícia estacionado no passeio com as sirenes luminosas ligadas. Passei pelo cinema fechado num edifício degradado. Pelo cabeleireiro africano. Faziam tererés, anunciavam em folhas A4 escritas à mão e coladas à montra virada para a rua.
Eu caminhava ao redor da rotunda mas não conseguia chegar ao outro lado. Era uma linha de horizonte que se afastava ao mesmo tempo que me tentava aproximar.
Ouvi uma primeira buzinadela. Depois outras. Não tardou a que a rotunda começasse numa sinfonia insuportável de buzinas de táxis a soprar alto a sua frustração.
Parei a olhar a rotunda. Os táxis. Os taxistas de mão na buzina. Dedo no nariz. Cigarros entre os dedos. Escarro soprado fora. Para fora do carro através do vidro da janela aberto. Todos em conjunto. Ao mesmo tempo.
Só tive tempo de saltar em frente e entrar dentro de um táxi livre com luz verde. Entrei e gritei É para subir em frente. Ele encolheu os ombros e disse Estamos parados. Há greve dos semáforos. Estão todos vermelhos. Zangado, abri a porta e disse Então fico aqui. Ele desligou o taxímetro e pediu Cinco euros, se faz favor.
Fiquei admirado. Cinco euros porquê? Não tinha andado. O táxi não estava funcional. Abri a porta e saí, irritado.
Nesse momento passou uma motoreta de entrega de pizzas e atropelou-me. Navegando aos esses entre os táxis parados, a motoreta levava umas pizzas para clientes quando me bateu. Fiquei com uma Pizza Bacana (as pizzas eram da Telepizza) tombada na cabeça. O motorista levantou a motoreta e arrancou pela rotunda fora. O taxista saiu do carro, agarrou-me e exigiu-me a pizza como pagamento da corrida. E eu perguntei Que corrida?
O taxista fez-me má cara enquanto trincava uma fatia de pizza. E eu pensei estou a ficar com fome. Estou a ficar com fome, os carros não se mexem e eu não consigo chegar a lado nenhum. Maldita greve.

[escrito directamente no facebook em 2019/07/08]

Anúncios

Um Tiro Disparado à Queima-Roupa

Acordei a ouvir falar numa criança e na doença que ela carrega. Uma doença rara. Ouvi dizer que havia um medicamento para esta doença rara que custava dois milhões de euros e sobre o qual, um médico, não sei que médico, mas um médico, dizia que não era uma cura, tão só uma ajuda a suportar a doença.
Uma doença, é uma doença. Rara ou comum, uma doença é uma doença. Mortal ou crónica, uma doença é uma doença. Há doenças piores que outras. Mas uma doença, é uma doença.
Um medicamento que custa dois milhões de euros não é um medicamento. É um euromilhões. Um medicamento que custa dois milhões de euros é uma escolha que está a garantir a imortalidade aos mais ricos dos ricos. Um medicamento que custa dois milhões de euros está a seleccionar quem pode viver. Quem pode morrer. Quem deve morrer.
Um medicamento que custa dois milhões de euros não é um medicamento, é uma dívida. Uma dívida para a vida. Para a vida da vida. Para a descendência. É uma hipoteca das gerações futuras. Para os filhos dos filhos dos filhos onde, entretanto, se encravou o elevador social, laboral e salarial e já não interessa a doença porque já todos têm uma sentença pendente sobre a sua vida. Um medicamento que custa dois milhões de euros é uma sentença de morte. É um tiro disparado à queima-roupa. É uma facada nos rins, e deixar morrer lentamente. É um deserto com o oásis a fugir com a linha do horizonte, e nunca se deixa apanhar.
Se eu tivesse dois milhões de euros gastava-os em álcool e gajas.
Se eu tivesse dois milhões de euros gastava-os a dar a volta ao mundo. A ver mundo. A beber o vinho do mundo. A amar as mulheres de todo o mundo. Perdia-me nas curvas das curvas, nas curvas do mundo, nas curvas das estradas, nas curvas das mulheres embriagadas e nas suas promessas de amor fácil e honesto. O amor é o que é. Ou não é.
Mas só tenho o resto deste Capataz em pacote. Até ontem ainda tinha a pornografia na internet. Mas já me cortaram a luz. A água. O gás. O cabo. A internet. O telemóvel. O meu último maço de cigarros jaz ali, no chão da varanda, amachucado, vazio.
Estou aqui em casa. À varanda do edifício que é a minha casa. Ou era, que já não sei nada de nada. Estou no Edifício Coutinho. A minha casa. Hoje de manhã acordei com os batuques dos martelos a desconstruir o prédio. Começaram no apartamento aqui mesmo ao lado do meu. Querem que eu saia de minha casa. Parece que é para o bem da comunidade. Bebo o último gole de vinho. Largo o copo, de vidro, e vejo-o cair lá em baixo na rua, mesmo ao lado de um segurança privado que levanta o punho em ameaça. Vai-te foder, pá! grito-lhe, mas sei que não me ouve.
Respiro fundo. Não tenho dois milhões de euros. Nem tenho uma doença rara. Sou só um gajo descartável igual a tantos outros que acabam por vociferar contra mim. Enganados.
Preparo-me para seguir o caminho do copo de vinho antes de ser atingido pela indiferença que anda a matar o século XXI.

[escrito directamente no facebook em 2019/06/28]

Malpica do Tejo

Malpica do Tejo. Duas da tarde. Um calor infernal.
Vejo o alcatrão da estrada a ferver. A linha de horizonte da estrada está desfocada. Parece que o mundo está a arder. Sinto as gotas de transpiração a caírem-me pelas frontes. O cabelo está colado à cabeça. Está molhado. A cabeça está quente.
Vejo à minha frente um restaurante. Já passei por dois cafés e uma tasca. Tudo aberto. Tudo de porta aberta à minha espera. Sinto-me no paraíso. Acabei de vir de uma Niza de portas fechadas a quem chega de fora. Ao Domingo, Niza leva a sério as palavras de D. Manuel Linda. O Domingo deve ser para a família. Os supermercados devem fechar ao Domingo. Em Niza, tudo fecha ao Domingo. Malpica do Tejo salva-me o dia.
Entro no restaurante. Sei que já é tarde. Peço uma bifana grelhada. Uma Sagres média. Cinco minutos, informam-me. Sento-me cá fora. À sombra de umas árvores. Ainda há árvores por aqui. Há sombras. E está-se bem à sombra destas árvores. O que as cidades têm a aprender com Malpica do Tejo.
Como. Bebo. Cimento tudo com um café.
Preciso dar um mergulho no Tejo. Quero dar um mergulho no Tejo. Preciso de refrescar o corpo. A cabeça. Vejo uma placa que diz Rio Tejo. Entro no carro e arranco na direcção da placa.
Entro numa floresta de eucaliptos. Vejo outra placa informativa que me informa Parque Natural do Tejo Internacional. Sigo em frente. A estrada é alcatroada. Durante alguns quilómetros. Depois acaba. Entro numa picada. Terra batida. Subo e desço. Quando subo, pergunto-me para onde é que vou. Preocupo-me. O Tejo é lá em baixo, digo baixinho para mim próprio. Quando desço, sinto-me ir na direcção certa. Sorrio.
A floresta adensa-se. Já não é só eucaliptos. Alguns pinheiros. Acho que passei por alguns sobreiros, mas não tenho a certeza.
Começo a ficar com algum receio. Algumas descidas são tão íngremes que tenho medo de não conseguir subi-las no regresso. Mas sigo em frente. Quero mergulhar no Tejo. No Tejo internacional. Páro num alto. Saio do carro. Não ouço nada. Há um silêncio quase total. Sinto o som de uma pequena aragem. Não vejo ninguém em lado nenhum. Nem casas. Nem carros. Só árvores. Verde. Pareço estar sozinho no mundo. Mas não. Por cima de mim planam duas águias. Assobio-lhes. Mas não me ligam nenhuma.
Volto a entrar no carro e continuo em frente. Volto a descer. A subir. Penso que se houver um incêndio, fico ali preso. A estrada de terra batida é estreita. Um caminho para um só carro. Não consigo dar a volta. Há, de vez em quando, umas pequenas bermas arredondadas para dentro da mata onde posso dar a volta ao carro e regressar. Mas já cheguei até aqui. Continuo em frente. Não quero regressar. Devo estar a chegar ao Tejo.
De repente, depois de subir um pouco, vem uma descida mas não consigo ver a estrada. É muito íngreme. Páro o carro. Saio. Olho em frente. É uma descida muito íngreme e com areia solta. Difícil de subir por ali. Acho que não consigo regressar se arriscar descer. Volto a entrar no carro e faço marcha-atrás. Estaciono-o no mato. E desço a pé. A meio da descida vejo o Tejo a passar lá ao fundo. É bonito o Tejo. Passa numa garganta. Continuo a descer. Vou mergulhar.
Um miradouro. Um miradouro interpõe-se. Olho para a outra margem. Espanha. Lá em baixo. A outra margem, a margem espanhola, vai até ao rio. Vai até lá a baixo. Vejo um pequeno cais. Há gente do lado espanhol a tomar banho no rio. As vozes da brincadeira chegam cá a cima. Ouço crianças. Adivinho lá famílias. Quero ir até lá abaixo. Mas não consigo. O miradouro é onde termina o caminho que fiz. O lado português do Tejo é uma escarpa. Porra! O Tejo afinal é espanhol. Para os espanhóis.
Sento-me numa pedra. Acendo um cigarro. Penso que gostava de ser espanhol. Hoje. Agora. Agora gostava de ser espanhol. E estar lá em baixo a mergulhar nas águas frescas do Tejo. Recupero o calor. Agora que percebo que não consigo chegar ao rio, volto a sentir o dia quente. A minha transpiração. As gotas de suor e o cheiro.
O cigarro sabe-me mal.
Ouço os gritinhos da satisfação dos espanhóis lá em baixo.
E penso Que é que falta acontecer?
E é nesta altura que ouço o barulho de um carro. Um carro lá em cima. Ao pé do meu. Olho para lá. Sinto um calafrio nas costas. Como um pressentimento. Não consigo voltar a colocar o cigarro na boca. Tenho a boca seca. Tenho a garganta seca. Tenho os olhos irritados. Sinto um arrepio de frio.
Olho lá para cima e vejo dois homens a descer até ao miradouro. O miradouro onde estou.

[escrito directamente no facebook em 2019/05/12]

A Noite que Não Foi a Noite

O tipo andava lá de um lado para o outro. Depois voltava para trás. E repetia tudo. Parava e olhava. Respirava fundo. Parecia. Abanava a cabeça. Voltava a caminhar. A andar de um lado para o outro.
Ele estava à beira-mar. Junto à água. Na linha de rebentação das ondas. Por vezes a água apanhava-o. Mas ele não parecia importar-se. Nem parecia aperceber-se disso. Continuava a andar de um lado para o outro. Os pés, por vezes, enterravam-se na areia molhada. Mas ele continuava. Como se nada fosse.
Parou. Olhou para o mar. Acendeu um cigarro. Ficou lá parado. A olhar o mar. A fumar um cigarro, parado, a olhar o mar.
Eu também acendi um cigarro. Eu estava cá em cima. Na arriba. Tinha ido até lá para…
Eu estava assim, no limite da vertigem, a olhar para o mar a bater violento nas rochas, quando vi o tipo. A andar de um lado para o outro. Chamou-me a atenção. Ele parecia nervoso. Sempre a andar de um lado para o outro. Prendeu-me logo a atenção.
Eu também acendi um cigarro. E fiquei cá em cima a fumar o cigarro e a olhar para o tipo.
Estávamos no lusco-fusco.
Aproximava-se a noite. Ao fundo, na linha do horizonte, o céu estava cor-de-rosa. Havia umas farripas de nuvens rasgadas no céu. Nós éramos as duas únicas pessoas ali na praia, àquelas horas. Ele lá em baixo. Eu cá em cima.
O que é que nos levava, aos dois, ali? Naquele dia? Àquelas horas?
Porque é que ele estava ali? E senti o coração acelerar quando ouvi a pergunta a bater-me na cabeça. Eu tinha medo da resposta. Olhei para baixo. Vi as ondas a bater nas rochas. Cheguei-me atrás. Sentei-me numa rocha. A fumar o cigarro. A olhar o tipo.
E disse baixinho Vai-te embora. Vai-te embora para casa.
O tipo acabou o cigarro. Mandou a beata para o chão. Colocou as mãos nas ancas, como se recuperasse o fôlego.
E eu disse baixinho Se te fores embora, eu também vou.
O tipo recomeçou a andar de um lado para o outro. Eu já não quis levantar-me. Mandei a beata pela arriba abaixo.
O horizonte começou a escurecer. O lusco-fusco estava a perder para a noite. Ainda via o tipo lá em baixo. A andar de um lado para o outro. Agora já com os pés sempre na linha de água.
Eu já não queria levantar-me. Já quase não via as ondas a bater nas rochas aos meus pés.
E disse baixinho Quero ir-me embora. Vai. Vai tu primeiro.
E tipo parou. Virou-se para o mar. Colocou as mãos na cabeça. Depois voltou a pô-las na cintura. Eu já mal o via. Mas ainda vi. Ainda vi o tipo a abanar a cabeça. E, depois, resignado, virar costas ao mar e ir embora.
O tipo virou as costas ao mar e começou a sair da praia. Vi-o caminhar ao longo da areia. Até à marginal.
Eu suspirei de alívio. Já não via a praia. Nem o mar. Nem as rochas aos meus pés. Mas ouvia o barulho das ondas a bater lá em baixo. E vi o carro do tipo a fazer a marginal debaixo das luzes dos candeeiros públicos.
Eu suspirei.
Acendi um cigarro.
Levantei-me e também me fui embora. Aquela noite não era a noite.

[escrito directamente no facebook em 2019/01/26]

Já Não Havia Linha do Horizonte

Ainda não eram horas da noite. Mas ela já vinha aí, a cavalgar na neblina.
Abri a porta da cozinha e olhei lá para longe, para as montanhas. Estavam a ser comidas. Já não lhes via o cume. Já não havia linha de horizonte nítida. A montanha estava a ser comida pela neblina que se lançava encosta abaixo. Um blur que vinha a rebolar sobre todas as árvores e arbustos fazendo-os desaparecer.
Preocupei-me. Àquela velocidade estaria aqui em pouco tempo. E eu iria ser comido também.
A minha casa era a única por aqui. Outras, só mais uns quilómetros lá para trás. A cidade ficava ainda mais longe. Estava sozinho. Estava sozinho na vida. No mundo. Aqui.
Entrei na cozinha e fechei a porta nas minhas costas.
Espreitei pela janela lá longe. A noite aproximava-se, rápida. A neblina corria na minha direcção.
Fechei os estores da casa. Tranquei as janelas, as portas. Fechei as portas todas atrás de mim, enquanto percorria o corredor e entrei no meu quarto.
Deitei-me na cama e cobri-me com o edredão.
Estou aqui debaixo, cheio de medo, armado de uma lanterna.
Não vou deixar que a escuridão me engula.
Não posso.
Não quero.
Ela que venha! Ela que venha!, grito enquanto agito a lanterna acesa na mão. Ela que venha!

[escrito directamente no facebook em 2018/05/20]

A Minha Imortalidade

Subi a pé até ao alto do monte. Até lá acima onde estava a torre eólica. Fazia frio e estava vento. Muito vento. As pás da torre giravam velozes, num ritmo estável e sereno, volta atrás de volta.
Sentei-me numa pedra sobre o vale e olhei lá para baixo. Para as diferentes cores que coloriam a paisagem. Para os pequenos muros de xisto que dividiam os terrenos e os tornavam peças de um enorme puzzle. Para as casas, pequeníssimas, que pontuavam perdidas, aqui e ali. Ao fundo ouvia um cão a ladrar. Mais perto ouvi o chocalho de um rebanho. Mas a mudança do vento levou o barulho. Fiquei novamente só. Eu e o vento.
Via toda aquela terra até à linha do horizonte e pensava na parábola da oferta de todos os reinos do mundo e a sua glória em troca de uma adoração. E sorri ao pensar nisso. Achava que o importante não era a adoração, mas a imortalidade. Para mim, esse era o ponto. Era por isso que aguentava todos os dramas, todas as provações. Era por isso que nunca ponderara o suicídio. Pensava na minha imortalidade.
Acendi um cigarro com alguma dificuldade, que o vento apagava sempre a chama do isqueiro. Depois fiquei ali assim, a fumar e a olhar toda aquela distância até ao horizonte e a pensar na minha solidão, e o quanto gostava dela.
Podia ter ido para Torres Vedras, para Alcobaça, até mesmo para a Nazaré, que os convites chegaram todos, a tempo e horas, para ir ver as matrafonas e aqueles desfiles pobrezinhos e tristes na sua esforçada alegria carnavalesca, mas preferi vir até aqui, sozinho, pensar na vida, na morte, na imortalidade ou em nada, e estar em silêncio. Eu e o espaço. Eu e o tempo.
Depois do esforço da subida, o fumo do cigarro pareceu adormecer-me. Senti-me tonto e percebi que estava a sair de mim e a ser levado por uma corrente de ar quente para cima. Passei ao lado das pás das eólicas, mas virei-me e vi-me ali em baixo, tranquilo, em paz, a fumar um cigarro e a olhar para lado nenhum em particular, porque tinha aquele olhar de quem sabia. E resolvi descer.
Voltei a mim, despertei, apaguei o cigarro contra uma pedra e desci o monte.
Voltei a casa, sentei-me frente ao computador, abri uma página e comecei a escrever as estórias da minha vida. Arranquei para a minha imortalidade.

[escrito directamente no facebook em 2018/02/10]

Na Arriba a Sentir o Mundo aos Meus Pés

Fui até à praia. Peguei no carro e fui até à praia.
Não fui à praia na volta dos tristes. Aquela voltinha que se faz aos mesmos lugares de sempre quando se sai de casa para dizer que se saiu de casa e que se deu uma volta.
Não. Eu fui à praia porque me apeteceu ir à praia no primeiro dia do ano. Não para tomar banho, apanhar bronze ou olhar as raparigas que por lá costumam andar.
Não. Eu fui à praia para ver o mar. Para ver o mar até à linha do horizonte. E tive sorte. A linha do horizonte estava para lá de longe, que o céu estava limpo, havia algumas nuvens, sim, mas não havia nevoeiro nem cacimbo, e o sol brilhava, amarelo, é certo, mas brilhava lá no alto, quer dizer, não muito alto, porque ele agora está assim um pouco para o descaído, mas estava luminoso e convidativo e deixou-me olhar longe o horizonte.
O mar estava bonito. Com uma ondulação que, cá de cima, parecia vir em câmara-lenta. Alguns carneiros galgavam algumas ondas e estas rebentavam em explosões de espuma nas rochas, mas ao longe, o seu ondular era hipnotizante.
Não desci lá abaixo, à areia. Fiquei cá em cima, na arriba, e senti a praia, o mar, o mundo e a vida aos meus pés. Senti como um bom pronuncio deste início de ano.
Quando saí do carro gostei de sentir o pouco calor do sol lamber-me a cara, leve, mas gostoso. O suave vento que se fazia sentir levantou-me os cabelos e despenteou-os. E eu fiquei ali, durante algum tempo, a sentir o calor de inverno e a deixar-me despentear enquanto outras pessoas chegavam e partiam, e eu ficava por lá, na companhia dos elementos.
Mais tarde entrei dentro do carro e deixei-me lá ficar sentado. O sol aqueceu o interior e acabei por adormecer.
Acho que tive um sonho erótico. Acordei excitado. Talvez por causa do calor do sol a bater em mim.
Quando acordei já era quase noite. Não havia ninguém por ali. Saí do carro e fui dar uma última olhadela ao mar, mas já quase não o via. No entanto, ouvia as ondas a baterem nas rochas e a chegarem à areia. Urinei ali mesmo onde estava. E enquanto urinava, descobri a lua lá no alto. Estava grande, enorme. Quase uma verdadeira lua de reis.
Senti-me abençoado neste primeiro dia do ano.
Quando voltei para casa e entrei na cidade, descobri-a quase vazia, e imaginei as ressacas da noite de ontem. Os pés doridos. As desilusões e os desencantos. Os enganos. Abanei a cabeça e pensei Esta gente é muito fraquinha. E amanhã recomeça a vida.

[escrito directamente no facebook em 2018/01/01]