Atingido pela Fúria que a Consumia

Ela saltou para cima de mim e começou a bater-me. A bater-me com as mãos fechadas na cara, na cabeça, no peito, onde me conseguisse acertar. Não eram bem murros, que ela não saberia dar murros, coitada, mas eram uma espécie de socos mal paridos dados com as mãos fechadas e mandadas à sorte para cima de mim. Com toda a força que tinha que, não sendo muita, era potenciada pela fúria com que estava. O que é certo é que acabou por me magoar bastante enquanto me atingia o nariz, os lábios, os olhos, quando uma das suas unhas, que nem eram muito grandes por sinal, embora maiores que as minhas, mas eram verdadeiras, não eram brincadeiras parolas de gel, eram as unhas verdadeiras dela, tratadas, limadas e pintadas de vermelho-velvet, que me rasgaram a pele no pescoço e arrancaram dois sinais salientes que eu tinha e que a médica me tinha avisado para eu os vigiar (não sei muito bem o que é que a médica quis dizer com isso) e num olho, que não mo vazou por mero acaso, mas deu um rasgão e ainda tive direito a algumas veias oculares a romperem e a lançarem pequenos esguichos de sangue pelo branco dos olhos.
Eu só me limitava a encolher para me defender dos ataques dela. Encolhia-me para desaparecer e não ser atingido pela fúria que a consumia.
Depois parou de me bater, ficou assim sentada em cima de mim, eu estava sentado no sofá e ela sentada em cima de mim, virada para mim, e começou a chorar, desesperada, e eu vi as lágrimas que rebentaram dos olhos dela e largaram em debandada pelas faces abaixo enquanto gritava Foda-se! Foda-se! Fodassefodassefodassefodassefodassefodassefodasse… até a voz se extinguir e a cara dela se transformar numa massa disforme, com baba e ranho a escorrer dos cantos da boca e do nariz e os olhos raiados de sangue e molhados de tanto chorar, e ela colocar a mão na testa como se tentasse organizar as ideias, suspirar duas ou três vezes, sair de cima de mim a correr para o quarto e fechar a porta com estrondo nas suas costas, talvez mais pela corrente-de-ar que se fazia sentir que pela fúria que, naquele momento, acredito que já estivesse noutro nível, mais de saturação e cansaço que propriamente de zanga.
Ainda perguntei O que é que eu fiz?, mas perguntei em silêncio, só na minha cabeça, só para mim, para evitar mais problemas com ela, principalmente enquanto não soubesse o que é que se tinha realmente passado.
Suspirei. Acendi um cigarro. Pensei na derrota do Benfica anteontem na Grécia, frente ao PAOK, o que lhe tinha vedado a entrada para a Liga dos Campeões e, para agravar a história, o jogo difícil já agendado para amanhã à noite, em Famalicão, contra uma das grandes surpresas da época passada, para a jornada inaugural da Primeira Liga. Está tudo complicado para o Benfica! pensei.
Levantei-me do sofá, apalpei os bolsos das calças. Estavam vazios. Fui à carteira dela. Só tinha uma nota de cinquenta euros. Tirei-os, apanhei o casaco, vesti-o e saí de casa. No elevador vi a minha cara no espelho. Uma cara toda arranhada, com sangue num olho, um lábio rebentado, também a sangrar, e uns pingos já tombados sobre a t-shirt branca e que estavam a alastrar e já não eram umas pequenas manchas mas um desenho sinistro do resultado de um ataque terrorista.
Os meus anos de chumbo! pensei. Às vezes dá-me para o dramatismo. São muitos romances de Harold Robbins em cima.
Saí do prédio. Não sabia o que tinha acontecido ao cigarro que estava a fumar. Acendi outro. Era o último do maço. Fui a fumar até ao quiosque ao fundo da rua. Fiquei cá fora, encostado à montra, com a perna direita flectida e o pé no vidro, a acabar do fumar. Depois entrei. Cheirava a chouriço lá dentro. O dono do quiosque estava à entrada de uma pequena arrecadação a comer uma sandes. Presumi que fosse uma sandes de chouriço, tal o cheiro. Ele parou de comer, largou a sandes em cima de um jornal e colocou a máscara na cara. Lembrei-me que precisava da máscara. Não a tinha comigo. Pedi-lhe um maço de cigarros dali mesmo da porta.
Bati o maço. Tirei outro cigarro. Acendi-o e fui andando ao longo do passeio. E pensei que andava a fumar demasiado. Pensei que tudo na minha vida estava a ficar um bocado descontrolado. Tudo demasiado. Pensei que o normal, fosse lá o que fosse, nunca tinha sido o meu normal. A minha vida era uma sucessão de pequenos e grandes problemas com menores ou maiores repercussões. Nunca tinha conseguido ser dono da minha vida. Estava sempre a ser jogado pelos outros. Fossem os meus pais, a minha irmã, os meus amigos, os meus patrões ou as minhas namoradas. Toda a gente mandava em mim e na minha vida. Toda a gente menos eu. E toda a gente acabava, mais tarde ou mais cedo, por se incompatibilizar comigo. Eu era assim tão mau? Eu era um problema assim tão grande? Ou era só um motivo para os outros libertarem a sua acidez?
Entrei no snack-bar e sentei-me ao balcão. O empregado disse que eu precisava de máscara. E eu perguntei como é que iria beber a imperial com a máscara na cara? Ele suspirou e serviu-me uma imperial.
Ao canto do balcão reparei na televisão desligada. Já não havia Sport TV. E pensei Onde é que poderei ir ver o jogo do Benfica, amanhã?

[escrito directamente no facebook em 2020/08/17]

Que…

Estou à espera. Estou sempre à espera. Não sei bem de quê. De qualquer coisa. Acho que espero qualquer coisa que aconteça. Que chegue. Que se faça anunciar. Mas não acontece nada. Não se passa nada. Não chega nada. Nada de nada.
E eu continuo. Continuo à espera.
Não sei…
Que a minha mulher deixe de ter dores de cabeça.
Que a minha filha me telefone.
Que o meu filho não me ignore.
Que a minha mãe não morra.
Que o meu pai ressuscite.
Que eu tenha trabalho, dinheiro e saúde.
Que me saia o Euromilhões.
Que consiga escapar à Sida, à Hepatite e ao Cancro.
Que esta ferida no lábio não seja Herpes.
Que o Linic funcione e deu deixe de ter caspa.
Que o vinho nunca se me acabe.
Que a bronquite não me impeça de continuar a fumar.
Que eu não perca a capacidade de dançar.
Que eu não deixe nunca de gostar de música. Fazer filmes. Escrever estórias.
Que não perca nunca a capacidade de me surpreender e de me apaixonar.
Que o Benfica ganhe a Liga dos Campeões.
Que alguém, que não eu, chegue a Marte, não sem antes deixar a Terra em condições de funcionamento para os vindouros.
Que parem de usar combustíveis fósseis.
Que utilizem o calor do sol e a força das ondas.
Que a banana da Madeira continue saborosa.
Que nunca se acabe a Tosta de Galinha da Geliz.
Que Bolsonaro tenha chatos e Trump piolhos.
Que desapareçam as caixas de comentários.
Que tenham urticária todos aqueles que vão destilar ódio para as redes sociais.
Que ninguém gaste um tostão na Black Friday. Nem dê prendas no Natal.
Que toda a gente queira um abraço e toda a gente o consiga dar.
Que Amo-te signifique alguma coisa.
Que humanidade também.
Que os cães e os gatos sejam felizes uns com os outros.
Que acabem as mortes no Mediterrâneo. Que acabem os combates parvos e idiotas que só servem a gente mesquinha e gananciosa.
Que o Corto Maltese continue a ter grandes aventuras. E o Tintim também.
Que eu volte a ter paciência para ler Os Cinco e Os Sete.
Que haja sempre alternativa.
Que eu deixe de estar à espera do que nunca vai chegar, do que nunca vai acontecer.
Que eu seja tudo, a Noite e o Dia a Pergunta e a Resposta o Alfa e o Ómega a Vida e a Morte.

[escrito directamente no facebook em 2019/12/02]

O que o Gato Pensa de Mim

Hoje já acendi a lareira. Está frio. Já sinto frio.
Estou à janela de casaco de malha vestido. Fumo um cigarro e olho lá para fora. Vejo as chaminés da fábrica lá ao fundo. As chaminés deitam um fumo branco. Não sei o que é que aquela fábrica produz. Já lá passei tantas vezes e nunca lá vi muito movimento. Mas a fábrica está quase sempre a laborar. Deve ser automatizada. Não sei o que produz.
Está a chover, lá fora.
Há alguma neblina. Não consigo ver os cumes das montanhas lá à frente, depois da fábrica.
Um dos gatos vem para junto de mim. Roça-se nas pernas num movimento infinito a fazer oitos entre uma perna e outra. Depois dá um pulo e vem para o parapeito da janela. Fica ali a olhar para mim. Como se estivesse à espera que eu lhe dissesse alguma coisa. O que é que queres, gato? Mas o gato não quer nada. Vira-se para a rua e fica ali, como eu, a olhar a chuva a cair e à procura das montanhas escondidas entre a neblina que se instalou lá ao fundo.
Ouço o barulho da lenha a crepitar na lareira. Viro-me para trás. Gosto de ver as chamas a queimar.
Penso na semana que passou. O mundo todo condensado em meia-dúzia de linhas. Trump a caminho da destituição. A criança encontrada no caixote do lixo. A casa oferecida ao sem-tecto que encontrou a criança. A condenação generalizada da jovem mãe que deixou a criança no caixote do lixo. A derrota, mais uma, do Benfica na Liga dos Campeões. A libertação de Lula no Brasil. O silêncio ensurdecedor de Bolsonaro. A troca de palavras azedas entre Joacine e Daniel Oliveira. O Sérgio Conceição que se está a cagar. Assim, com estas letras todas Estou-me a cagar! Diz ele em directo e em conferência de imprensa. O mundo está doente. Eu também estou a cagar para muitas destas coisas. Mas eu estou aqui em casa e ninguém me paga para fazer outras coisas que não seja dizer que se está a cagar.
Viro-me de novo para a rua. O gato continua sentado no mesmo sítio a olhar a chuva lá fora. Agora chove mais. E com mais força. Agora não vejo as chaminés da fábrica. A chuva é muita. Mas vejo uma luz vermelha a piscar. A avisar que existe altura. Que as chaminés estão lá. Mesmo que eu não as veja.
Penso que vivemos tempos muito peculiares. Mas penso logo de seguida que sempre foi assim. Os tempos são sempre muito peculiares. Difíceis. Complicados. Mas é sempre assim. Todo o tempo. Nós é que tendemos a achar que é no agora que as coisas se complicam. Às vezes é.
O cão está lá fora à chuva a olhar para mim. Para mim e para o gato. Deve querer entrar. Mas agora está molhado. Chamei-o antes da chuva começar a cair. Para vir para dentro de casa. Os gatos vieram. Ele preferiu andar a laurear-a-pevide. Se calhar com alguma cadela da vizinhança distante. É um cabrão, este cão. Agora não te abro a porta, digo-lhe através do vidro duplo da janela. Ele não ouve o que digo. Mas percebe. Ele percebe que está molhado e não o vou deixar entrar. Não tarda vai deitar-se no chão, à chuva, a rebolar, de olhos tristes, para me fazer condoer. Mas eu não vou cair nessas brincadeiras emotivas, estás a ouvir, cão?
Viro-lhe as costas. Volto a olhar a lareira. Lanço para lá o resto do cigarro. E digo para mim, Vou abrir-lhe a porta. Ele vai querer vir deitar-se junto à lareira. E olho de relance o gato e percebo que me está a chamar Conas! Sim, eu sei o que é que o gato pensa de mim. Aquele gato em especial.
Continua a chover.
E já faz frio.

[escrito directamente no facebook em 2019/11/09]

Tenho a Pistola na Mão

Estou a olhar para a pistola. A pistola que tenho na mão. Uma herança do meu pai. A herança do meu pai. A única coisa que me deixou, coitado. A vida não foi muito simpática com ele. Comeu-o até ao osso e depois, no fim, cuspiu-o fora.
A pistola é pesada. Bonita. Não muito grande. Cabe na palma da minha mão. O cano é que sai um pouco para fora. As minhas mãos não são muito grandes.
Acabei de ver a final da Liga dos Campeões. Vi o Liverpool regressar ao convívio dos grandes. Acho que assisti ao mudar de uma época. Acho que acabou, por uns anos, a época de glória do Real Madrid.
Vi gente a gritar de alegria. Vi gente a chorar de tristeza.
A vida é assim. Boa para uns. Má para outros.
Acendi um cigarro. Fui à janela. Abri-a. Fiquei lá debruçado a fumar e a olhar as gentes que chegavam para a noite na cidade.
Não me sentia bem.
Não tinha nada a ver com o jogo. Com a Liga dos Campeões. Com o Liverpool. Nem sequer com a cidade. Acho que tinha a ver comigo. Mas nem sei bem o quê.
Sentia a cabeça pesada. O corpo agitado. Uma certa angústia. A vida também não tem sido muito simpática comigo. Lembrei-me do meu pai. E foi por isso que fui buscar a pistola. Revi-me na vida do meu pai. Prendi um soluço na garganta. Não o deixei ir adiante. E fui buscar a pistola.
A pistola estava num cofre pequenino que tenho no fundo do guarda-fatos. Abri-o. Peguei na pistola. E fui sentar-me no sofá. Com a pistola na mão.
E aqui estou. Sentado no sofá. O jogo já terminou. Gostei que o Liverpool tivesse ganho. A pistola está carregada. A pistola está sempre carregada. Cada vez que a limpo, deixo-a carregada.
A minha mãe não sabe que eu tenho a pistola. Ela tinha-a escondido. E depois, perdeu-se. Foi assim o fim oficial da pistola do meu pai. A minha mãe escondeu-a. Escondeu-a de mim. E depois perdeu-a. Esqueceu-se onde a tinha escondido. Mas eu encontrei-a. E fui eu que a escondi. Fui eu que a encontrei e escondi. Fui eu que acabei por ficar com a pistola que era do meu pai. Foi a minha herança.
Estou com a pistola na mão. Estou sentado no sofá com a pistola na mão. O Liverpool ganhou a Liga dos Campeões. A minha mãe não sabe que eu tenho a pistola que era do meu pai.
Eu tenho a pistola na mão e não sei o que é que hei-de fazer.
Tenho o corpo a tremer. Sinto uma certa ansiedade. A boca seca. A perna a abanar. O pé a bater no chão. Tenho uma vontade enorme de chorar. Tenho a pistola na mão. A pistola que era do meu pai. E que a minha mãe queria esconder de mim.
Tenho a pistola na mão e medo do que possa fazer.

[escrito directamente no facebook em 2019/06/01]

Não Havia Dinheiro

Não havia dinheiro. Era o que se dizia Não há dinheiro.
Qual é a parte da frase ‘Não há dinheiro’ que não entendem? começaram por dizer. E depois foi sempre a eito. Não havia dinheiro. Não havia dinheiro para nada. Quer dizer, haver devia haver, nós não sabíamos era onde. Onde é que havia. Onde é que ele estava. Quem é que o tinha. Porque nos diziam que não havia dinheiro, mas depois ele aparecia para as coisas muito muito importantes.
Salvaram-se Bancos. Instituições Financeiras. As rendas nas grandes empresas de energia nunca pararam. As Parcerias Público-Privadas também não. Nem as Subvenções Vitalícias dos Deputados que legislaram em causa própria.
Não havia dinheiro, mas havia.
Havia dinheiro para coisas muito muito importantes.
Em casa deixou de haver luz eléctrica. Já não havia dinheiro para a pagar. Mas a companhia continuava a receber as rendas.
Em casa deixou de haver água. Já não havia dinheiro para a pagar. Mas as empresas de águas e saneamento, municipais, continuaram de vento-em-popa.
Em casa deixou de haver carne de vaca. E peixe.
O pão circulava entre amigos. Quem ainda tinha gás fazia pão no forno. As banheiras foram invadidas pelas hortas. Os quintais passaram a ter árvores de fruto e guardadas com um homem armado. Os livros eram lidos e relidos e passados de mão-e-mão. As livrarias morreram e os poucos livros que existiam, eróticos e de auto-ajuda, eram vendidos nos supermercados onde ainda ia quem podia ir.
Mas tudo ia bem.
Às Sextas, Sábados, Domingos e Segundas havia sempre futebol da Liga. Ou da Taça. Da Taça da Liga. Ou da Taça de Portugal. Às Terças e Quartas havia Liga dos Campeões. Às Quintas a Liga Europa. De vez em quando o Fernando Pimenta e o Nelson Évora. E o Salvador Sobral. As mamas da Rita Pereira e os bíceps do Diogo Morgado. Os gritos da Cristina Ferreira e da Júlia Pinheiro. Os fatos do Manuel Luís Goucha. A simpatia da Fátima Lopes. As acusações do Hernâni Carvalho. Havia também qualquer coisa da Rita Ferro Rodrigues mas já não me lembro o que era.
Ainda tinha uma televisão a pilhas. Pequenina. Para poder ver alguma coisa do que se passava para lá das minhas limitações. Para entreter o tempo. A fome. E a miséria em que a vida se tornou.
O tempo descontrolou-se. Chovia e fazia muito calor ao mesmo tempo. Chovia muito e muito depressa. As barragens e os rios inundavam os terrenos. As cidades. As aldeias. Mas depois havia seca. Os produtos morriam antes de chegar a crescer.
Sempre que arranjava um cigarro, era uma festa. Fumava-o aos poucos. Duas ou três baforadas por dia.
Deixei de cheirar café. Deixei de beber cerveja. Nunca mais vi vinho tinto.
Chegámos a um ponto em que a vida perdeu sabor. Já não sabemos o que andamos aqui a fazer. Mas também não nos sentimos com vontade de saber.
Eu pelo menos não me sinto. Não me sinto com vontade de saber nem de fazer o que quer que seja. Nem forças tenho para cortar as veias. Olho a faca e nem a consigo agarrar. Está ferrugenta.
Vou andando. Vou andando até parar de andar.

[escrito directamente no facebook em 2018/09/03]