Dos Fracos Não Reza a História

A história é contada pelos vencedores. Pelos fortes. Dos fracos não reza a história. Os fracos não têm história. Os fracos não existem. Só existem os vencedores. Os fortes.
Eu sou um fraco. Quebrado. Destruído. Mas eu conto a minha história. Vou contando a minha história. Vou contado a história de um falhado, perdido na voragem gananciosa da cidade, mas que está aqui, vergado, mas está aqui, a dizer que está aqui. Porque, afinal, os vencedores precisam dos vencidos para existirem. E eu estou aqui. Só existem por mim. Porque eu vos garanto existência pela minha derrota.
Acendo um cigarro. Puxo o fumo para os pulmões. Travo o fumo. Mas não aguento muito tempo. Tempo nenhum. Também os meus pulmões estão falhos. Tudo em mim falha. Mas sigo em frente. Continuo a fumar. Indiferente aos gritos da minha fraca respiração. Não importa que eles parem. Não tenho porque continuar a respirar. Eles vão funcionando até deixarem de funcionar. Não é assim com tudo?
Arrasto-me pela rua escura. Os prédios altos não deixam cá chegar a luz do dia. Não deixam cá chegar o calor do sol. Cheira a mofo. A humidade. Cheira a mijo. Vejo passar uns ratos junto à parede. Uma velha mija num canto, abaixada, coberta pelo pano largo da saia rodada. Não a olho e ela agradece. Conhecemos os códigos.
Vejo um puto a cheirar cola. Apetecia-me gritar com ele. Arrancar-lhe o saco de plástico das mãos. Dar-lhe um par de estalos e depois levá-lo a comer um Happy Meal. Mas sigo em frente. Não faço nada do que devia fazer. Baixo a cabeça. Uns rapazes novos, ainda com esperança na vida, descarregam um camião nas traseiras do Centro Comercial. Mais tarde irão lá gastar o dinheiro que ganharam a descarregar o que lá irão consumir. Que mundo de merda.
Olho mais à frente. O tipo está cá fora a fumar um cigarro. Eu deito fora o meu. Aproximo-me dele. Silencioso. O silêncio dos que não existem. O silêncio de quem não tem história. Na mão uma navalha. Levanto a mão. Levanto a navalha. Faço-a deslizar ao longo do pescoço. Abro-lhe um rasgão. Apanhado de surpresa leva a mão ao pescoço mas não lhe serve de nada. Já é tarde. Tarde para tudo. O cigarro cai-lhe da mão. O sangue jorra às golfadas e ele também deixa de existir enquanto desliza para o chão. Eu tiro-lhe o telemóvel do bolso das calças. Coloco-lhe o dedo, que limpo às suas calças, no telemóvel e ligo-o. Aproximo o telemóvel da fechadura electrónica e entro no Banco pelas traseiras. Faço a visita completa a todos os gabinetes do Banco. Sou invisível. Ninguém me vê. Não existo. Vou apanhando todas as poucas notas que vou encontrando. Nas gavetas. Nas carteiras dos funcionários. Nas caixas. Mesmo debaixo do nariz de toda esta gente que não me vê. E saio. Saio com os bolsos forrados com algumas notas que não são muito, mas irão dar para alguma coisa. Para ir vivendo no meu canto.
A história é contada pelos vencedores. Pelos fortes. Dos fracos não reza a história. Os fracos não têm história. Os fracos não existem. Só existem os vencedores. Os fortes.
Eu sou fraco. Mas vou contando a minha história para que a história dos vencedores não seja a única história a ser aprendida. Porque os fracos também têm história. Uma história que quer ser escutada.

[escrito directamente no facebook em 2019/07/29]

Anúncios

Num Banco de Jardim que Estava numa Praça

Sentei-me no banco de jardim que não estava num jardim, mas numa praça. Numa pequena praça. Numa pequena praça com meia-dúzia de arbustos e algumas flores, mas sem árvores. Uma pequena praça a caminho da entrada do metropolitano. Eu sentei-me ali, naquele banco, no meio da cidade que por ali passava, apressada, a caminho de qualquer coisa, com a mochila ao meu lado.
Sentei-me naquele banco porque dali podia ver as janelas da casa. Da casa dela. Sabia quando estava na cozinha a fazer um chá, a única coisa que se sentia habilitada a fazer – nem a porra de umas torradas! Da última vez teve de chamar o porteiro para lá ir apagar as chamas. Sabia quando estava na sala, pelas luzes que piscavam, as luzes das imagens da televisão onde seguia sempre, atentamente, os programas noticiosos. Sabia quando estava na casa-de-banho porque se acendia a luz da janela mais pequenina, aquela que ficava entre a janela da sala e a do quarto. E sabia quando é que estava no quarto. Porque todas as luzes da casa estavam desligadas. Era hora de dormir.
Sentei-me no banco de jardim por alguns dias. Eu via-a dentro de casa. Olhava para ela a cirandar de um lado para o outro, via-a a olhar cá para fora, para a rua, para aquele banco e, no entanto, sentia que ela não me via. Isso moía-me o coração. Eu estava lá sentado, no banco, no banco de jardim, na pequena praça a caminho da entrada do metropolitano, com a mochila ao meu lado, a olhar para ela e ela não me via. Eu abria a mochila e tirava um livro. E lia. E quando me cansava de ler, tirava um caderno da mochila, uma caneta, e escrevia. E quando chegava a noite, e eu não tinha luz suficiente para ler e para escrever, tirava da mochila o iPod e ouvia música. E sempre com um cigarro a queimar entre os dedos da mão. Parecia que o maço de cigarros não tinha fundo. Havia sempre um cigarro para me acompanhar. E assim passei alguns dias, e algumas noites, naquela pequena praça à entrada do metropolitano, sentado num banco de jardim. Tive sorte. Não choveu. Não fez muito frio. Só tinha de vestir um casaco de lã, velho, que tinha comigo. E a noite passava suave por mim. E eu permanecia sentado no banco de jardim. Fumava um cigarro. Olhava-a. E esperava que ela me olhasse e me visse.
Foi na terceira noite. Na terceira noite que estava sentado no banco de jardim que não estava num jardim, mas sim numa praça. Estava a fumar um cigarro e a perguntar-me Porque raio não tenho fome? Parecia-me estranho estar ali há tantos dias sem comer. Sem ir à casa-de-banho. Nem sequer um xixi nos arbustos à entrada do metropolitano. Quando a vi chegar. Ela chegou num carro que eu não conhecia. Conduzido por alguém que eu também não conhecia. E senti o coração a bater. A bater muito rápido. E vi-a debruçar-se para o lado. Para o lado do tipo que eu não conhecia. E trocarem um beijo. Um beijo que foi mais um toque de lábios, mas um beijo.
Levantei-me do banco de jardim, a tremer, e dirigi-me ao carro que não conhecia. Vi-a dizer qualquer coisa ao homem. Vi o homem dizer-lhe qualquer coisa a ela. Vi-a sorrir. Voltar a emprestar os seus lábios aos lábios do homem. E eu aproximava-me do carro. E ela abriu a porta do carro. E eu cheguei lá. Cheguei ao pé do carro que não conhecia. E ela saiu do carro. E eu estiquei a minha mão para agarrar a mão dela. Mas a mão dela fintou-me e não se deixou agarrar. E ela saiu do carro. Fechou a porta. Eu pus-me à frente dela para lhe bloquear a passagem e senti-a passar por mim. Por dentro de mim. Como se não me visse. Como se eu fosse invisível. Inexistente. Como se eu não estivesse ali.
Fiquei parado. Parado entre ela e o carro que eu não conhecia de lado algum. Fiquei ali a vê-la caminhar até à entrada de casa. Vi-a tocar a campainha. O porteiro a abrir a porta. E ela virar-se. Virar-se para mim. Ela virar-se finalmente para mim, e acenar com a mão, enquanto me mandava um beijo pelo ar. E eu vi o beijo a voar, a voar desde os lábios dela, e dirigirem-se a mim. Eu sorri. Finalmente ela tinha-me visto. E o beijo passou por mim e não parou. Continuou. Continuou a voar até entrar dentro do carro e pousar, suave, doce, sobre os lábios do homem que eu não conhecia. E vi a cara de parvo que o homem fez quando sentiu o beijo dela nos seus lábios. E reconheci aquele sorriso parvo.
Ela entrou em casa. O carro arrancou pela cidade. Eu fui buscar a minha mochila ao banco de jardim que não estava num jardim, mas numa praça. E desci as escadas para o metropolitano.

[escrito directamente no facebook em 2019/03/26]

Pizza

Ia jantar com a minha mãe. A casa dela. Apareci lá com uma Pizza média, de risco ao meio. Numa metade Cogumelos, Bacon e Alcaparras. Na outra metade Cogumelos, Pimentos e Alcachofra. Entrei em casa dela e, ainda não tendo fechado a porta nas minhas costas, ouvi És tu? Cheira-me a Pizza. Trazes Pizza? Não me apetece nada Pizza.
Fiquei parado à entrada de casa. A porta por fechar. E disse, mentalmente, Foda-se!
Fechei a porta nas minhas costas. Entrei em casa. Fui até à sala. Não estava ninguém. Fui até à cozinha. A minha mãe estava sentada à mesa. A mesa posta para duas pessoas. Pratos. Talheres. Guardanapos. Copos. O dela com vinho tinto.
Coloquei a caixa com a Pizza na mesa da cozinha. Perguntei Mas não queres Pizza? Já não comes há tanto tempo! E ela abanou a cabeça e disse Não gosto de Pizza, sabes bem! Sabes que não gosto de Pizza! Só como por tua causa!
Não me apetecia discutir. Olhei o relógio. Vi as horas. Virei-me para ela e perguntei O que é que te apetece comer? Ainda posso ir ao Rei dos Frangos! E ela respondeu Ah, não sei. Qualquer coisa. Sabes que sou boa boca. Como o que for.
Eu acenei a cabeça. Soube que tinha perdido a batalha. Não adiantava contestar. Para quê? Peguei na garrafa de vinho. Enchi o copo. Bebi-o de um trago. A minha mãe exclamou Então?!, e eu fiz Ah!, satisfeito. Sorri-lhe e saí porta fora.
Fui ao Rei dos Frangos ver o que havia. Era bom haver Arroz de Pato que ela gosta, pensei.
Mas não havia Arroz de Pato.
Acabei por trazer uma tira de Entrecosto e Arroz de Feijão.
Voltei a entrar em casa. Fui directo à cozinha. A minha mãe estava a acabar a terceira fatia de Pizza. Da minha metade.
E disse Mãe? Não querias Pizza!, não querias Pizza!, e comeste a minha metade? E ela disse Olha, começou a cheirar-me tão bem! Abriu-me o apetite e não consegui resistir. E achei piada a estas bolinhas pretas, provei e olha!, adorei! Um bocado salgadas, é verdade, por isso já bebi mais dois copitos, o que vale é que a cama é já ali, mas adorei!
Sentei-me em frente dela. Tirei as embalagens do saco de plástico e disse-lhe Bom, já ficas com almoço. Arroz de Feijão e Entrecosto. E ela disse-me, muito admirada Entrecosto? Como é que queres que roa o Entrecosto com estes dentes?
Fiquei a olhar para ela a pensar que tinha razão.
Enchi o copo. Bebi-o de um trago. Enchi-o outra vez. A minha mãe disse Não gosto que bebas muito vinho. E eu respondi-lhe E tu podes falar muito!, enquanto agarrava uma fatia da metade vegetariana da Pizza, a metade dela, e comecei a comer.
No fim lavei a louça. Arrumei o resto da Pizza numas caixas de plástico e pu-las no frigorífico juntamente com as caixinhas com o Arroz de Feijão e o Entrecosto.
Fechei a garrafa de vinho. Olhei-a. Era só um restinho. Dei cabo dele. Garrafa para o lixo.
A minha mãe estava no sofá a ver a televisão. Dei-lhe um beijo. Disse-lhe Até amanhã e ela respondeu Tem cuidado! Bebeste vinho! Sim, mãe.
Saí de casa com os sacos do lixo.
Na rua dirigi-me aos caixotes. Estava um carro lá parado. Mesmo em frente aos caixotes do lixo. Dois rapazes. Duas raparigas. Elas fumavam. Os quatro conversavam. Eu cheguei. Parei. Esperei. E tive de dizer Com licença. A rapariga chegou-se para o lado enquanto virava a cara para mim. Sorriu-me. Eu abri o caixote e mandei os sacos do lixo lá para dentro. Depois enfiei a garrafa de vinho no vidrão.
Os quatro continuaram na conversa ali ao pé dos caixotes de lixo. Não cheirava muito mal, mas eram os caixotes do lixo. Com tanto sítio, tiveram de escolher os caixotes do lixo.
Aproximei-me do carro. Abri a porta. Ia a entrar e bati com a cabeça no carro enquanto puxava ao mesmo tempo a porta que me bateu com força no outro lado da cabeça e prensou-a. Disse Porra! Eu estou maior ou mais gordo!
E nessa altura senti-me desmaiar…
Acordo. Olho em volta. Estou caído no chão. Ao lado do carro. Entre a porta aberta e o banco. O cu no chão. As pernas no interior do carro. Tenho sangue na camisola. Dói-me a cabeça. Levo a mão à cara. Tenho sangue. Tenho sangue na cara. Escorregou da cabeça. Olho o relógio. São duas da manhã. Estou aqui há quatro horas. Ninguém me ajudou. Ninguém me roubou. Ninguém me viu. Sou invisível. Ninguém me vê.

[escrito directamente no facebook em 2019/03/09]

A Vila Deserta e Eu

Entro no café da vila. Está quase deserto. Há um homem pequenino encostado ao balcão. Usa umas bermudas de ganga e uns chinelos enfiados no dedo. Tem uma camisola de alças, daquelas do basquetebol, do Porto, grande, enorme. Fica-lhe abaixo do rabo. Riscas azuis.
O homem pequenino fala uma algaraviada qualquer onde mistura francês, português e outras coisas que não entendo. Fala para o homem do café mas este parece não ouvir nada.
Encosto-me ao balcão e peço uma imperial e tremoços. Não há, diz. Não há nada, percebo eu. Não há imperial que os barris vão todos para a praia. Não há tremoços à borla mas há amendoins em lata num aparelho que funciona a moedas de um euro. Está bem, uma mini, peço.
O homem pequenino bate com a mão no balcão de inox e vai-se embora. O homem do café liga o moinho do café que começa a fazer um barulho ensurdecedor. Olho para a televisão e vejo tudo a arder. Não ouço o que dizem por causa do moinho do café.
Bebo a mini de um gole, deixo uma moeda no balcão e vou-me embora.
Está calor na rua. Calor e abafado. Meto por uma rua que faz sombra e vou andando sem destino.
Volto a cruzar-me com o homem pequenino. Está no meio da rua a olhar para uma casa de azulejo. Tem ar de renovada. Casa antiga renovada. Ele olha para mim, orgulhoso e diz Ma maison. Eu aceno com a cabeça e digo É uma boa casa, sim senhor! Parabéns.
Passo pelo homem e continuo rua fora. Está calor. Não se vê ninguém na vila. Não há barulhos. Parece uma terra morta. Irreal.
A rua chega ao fim e desemboca numa praça. Está montado um palco de madeira. Uma teia com luzes coloridas desligadas. Um PA levantado nos lados do palco. Ao lado um cartaz. Zé Café & Guida.
Tenho de cá vir ver, penso. O Zé tem bigode grande. A Guida é gira. Na rua está calor. Estou com sede.
Sento-me nos degraus da igreja, à sombra, e acendo um cigarro.
Uma miúda, não mais de doze, treze anos, aparece vinda não-sei-de-onde e estende-me uma caixa de madeira. É para a festa, diz. Eu olho para ela. Puxo uma baforada de fumo e meto a mão ao bolso dos calções. Tiro uma moeda de euro e coloco-a na caixa. Obrigada!, diz enquanto se afasta a correr e desaparece numa esquina.
Acabo o cigarro. Não volta a aparecer vivalma.
Tenho de vir ver o Zé Café & Guida, digo para mim próprio. Levanto-me e meto-me noutra rua da vila. Embrenhar-me até me perder e desaparecer. Tornar-me invisível. Uma pedra da calçada. Um Dente-de-Leão. Um nada. Perdido no vento.

[escrito directamente no facebook em 2018/08/11]

A Terra Gira a Grande Velocidade

Estava caído ali, junto à Fonte Luminosa. A Terra pôs-se a girar muito depressa no seu eixo, a correr à volta do sol e o chão fugiu-me debaixo dos pés. Caí. E não consegui levantar-me.
Tive sorte. Podia ter caído dentro da fonte. Podia ter morrido afogado. Mas tombei na laje. A boca bateu no lancil e parti dois dentes. Vi-os sair disparados da boca. Na altura nem percebi o que era. Depois reparei nos fios de sangue que me escorriam da boca.
Virei-me sobre mim próprio e olhei o sol frio da manhã. Fechei os olhos. Tentei erguer-me, mas todo eu era peso.
Passaram dois miúdos adolescentes, com mochilas da escola, na galhofa, e ao cruzarem-se comigo apontaram e desataram a rir. Já não há respeito pelos mais velhos, pensei. Mas depois reparei para onde é que tinham apontado. Tinha-me mijado. Mas não me lembrava de isso ter acontecido.
Estava uma lástima.
Tentei rebolar outra vez, sobre mim próprio, para me erguer, mas não tinha força. E então desatei a rir. A rir de mim. Da minha condição. Era um palhaço. Sem dignidade. De rasto perante os outros. Ainda não era hora de almoço e já estava bêbado.
E porque é que bebo? Nem sei…
Arrastei-me ao longo das lajes da Fonte Luminosa até às escadas da Caixa. Um miúdo que vinha a andar de skate, parou ao pé de mim e deu-me uma mão. Ajudou-me a levantar e carregou comigo até às escadas da Caixa Geral de Depósitos, onde ainda estou.
A velocidade da Terra começou a diminuir. Já consigo focar. Mais ou menos.
Vejo passar as pessoas nas suas vidinhas muito importantes e nem olham para mim. Elas querem olhar, há algo dentro delas que as quer fazer olhar e sentirem-se bem por não serem elas ali, mas o pudor impede-as de olhar. Ignoram-me. Tornei-me invisível. Desapareci.
Também não quero saber delas. De nenhuma delas. Nem dessas nem das outras. Ainda bem que me deixam em paz. Antes isso que as lengalengas do costume. Antes ignorarem-me que as suas preces puritanas e falsas.
Sinto-me mal disposto. Precisava de um copo. Outro.
Mas já não tenho dinheiro. E ainda não consigo pedir na rua. Sei que esse dia vai chegar. Mas ainda não será hoje. Hoje só consigo pedir um cigarro.
Aquela miúda vem a fumar… Olha, se faz favor, arranjas-me um cigarro?… Simpática. E bonita. Vai destruir muitos corações. O meu já não. Mas uns que ainda funcionem.
Está a saber-me bem, este cigarro.
Mas estou a ficar tonto. Devo estar fraco. Acho que ainda não comi nada hoje. O cigarro está a deixar-me tonto, mas não o posso deitar fora.
Bebia outro copo… Porque é que bebo? Porque sim… A culpa é minha, claro. Mas há culpas, nisto? Claro que sim. E a culpa é minha. Se aqui estou foi porque para aqui vim.
Estou mal-disposto. Acho que vou vomitar… Não consigo aguentar… Vou vomitar…
…tenho de ir mais para aquele lado que as escadas daqui estão já todas vomitadas. Ainda vem aí alguém para me chatear.
Tenho este restinho de cigarro para acabar. Já não estou tonto.
Se eu me conseguir levantar, posso ir beber mais um copo para ganhar coragem e ir almoçar… Talvez me fiem um copo. Eu venho cá pagar amanhã.
Vou tentar mais daqui a um bocado. Antes, preciso de descansar um pouco.
E este sangue? Ah… é meu!…
E os dentes? Onde é que ficaram os dentes?… Os meus dentes?… Não os vejo…
Mas eles não me vão deixar entrar assim, todo mijado, no bar… Mas posso ficar na esplanada…
Mas antes vou descansar um pouco. Estou cansado. Estou muito cansado.

[escrito directamente no facebook em 2018/01/11]