O Campeonato de Girão

Vi, por acaso, a meia-final do Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins entre Portugal e Espanha, e vi a seleçcão portuguesa agigantar-se perante os crónicos vencedores do mundo.
Decidi ver a final. Era hoje. Portugal contra a Argentina.
Comprei uns amendoins com casca. Uma garrafa de Encostas de Pias, tinto. Dois maços de cigarros. O Zippo com gasolina. Fechei as cortinas da sala. Liguei a RTP1. Aguentei os programas da tarde até à hora do jogo.
Quando o jogo começou já estava bêbado. E a garrafa vazia.
Os nervos não costumam atacar-me. Não era o caso de hoje. Hoje estava nervoso. Se calhar por estar bêbado.
Deixei passar a primeira parte do jogo sem me ter apercebido que estava a acontecer. Quando despertei, percebi que o guarda-redes português, Girão, estava a defender a sua quinta grande penalidade e, à semelhança das anteriores, defendeu a baliza nacional com brio, fechando a entrada às bolas argentinas.
Foi então que me apercebi que podíamos estar à beira de sermos campeões do mundo. Sim, que eu aproprio-me destas grandes conquistas. Estava zero-a-zero. O tempo corria para o final. Os nervos caíam-me em cima e comecei a devorar os amendoins. Desfazia as cascas e mandava os amendoins a voar para dentro da boca. Triturava-os rapidamente. Repetia a acção. Voltava a repetir. E de novo. E outra vez. E novamente. E fiquei cheio de sede e enquanto Girão se dispunha a defender outra grande penalidade, fui à procura de algo para matar a sede. Encontrei uma garrafa de Brandymel que nem sabia que havia cá em casa. Uma bebida de que não gostava. Mas levei o gargalo à boca e ajudei a empurrar os amendoins pela garganta abaixo.
O jogo continuava. A Argentina mais acutilante. Portugal mais suave. Falhava muito na finalização. Mas nós tínhamos o Girão. A Argentina não. Girão era português e estava na baliza portuguesa para a defender dos adversários. E manteve-a inviolável até ao final do jogo.
Veio o prolongamento. O comentador do jogo na RTP1 não se calava com a décima falta argentina. A décima falta que permitiria à selecção portuguesa usufruir de uma grande penalidade que ainda não tinha usufruído, ao contrário dos argentinos que já levavam mais de uma mão-cheia delas a que Girão se opôs com galhardia. Mas nunca chegou esta décima falta. E o tempo foi passando. Umas vezes mais depressa. Outras vezes mais devagar. Por vezes parecia que a Argentina se posicionava para o golo. Por vezes era Portugal que falhava golos feitos, o que me levava a gritar asneiras a plenos pulmões, acender cigarros uns nos outros e a beber o Brandymel directamente da garrafa.
Há muito tempo que não me sentia tão nervoso.
Mas o prolongamento chegou ao fim.
Vieram as grandes penalidades.
E eu percebi que íamos ganhar o Mundial. Ter o Girão na baliza era quase como ter Deus a rezar a si próprio por nós.
E eles começaram por falhar. E nós também. Depois marcaram. E nós também. E depois eles falharam. E nós não. E quando falhámos a grande penalidade que nos daria a vitória, foi só para que Girão defendesse a grande penalidade argentina que nos garantiria a vitória no Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins em Barcelona 2019. E foi o que aconteceu.
Girão defendeu a última grande penalidade argentina. Portugal nem precisou de marcar a sua. Girão ganhou o campeonato para Portugal.
Mandei os amendoins ao ar. Os amendoins e as cascas. Despejei a garrafa de Brandymel, o que me deixou enjoado. Acendi mais um cigarro. Agarrei na minha bandeira de Portugal com pagodes no lugar dos castelos e vim para a rua onde estou agora para comemorar com os meus compatriotas mais este grande triunfo lusitano na alta-roda do desporto mundial.
Já estou aqui há mais de meia-hora e continuo a ser o único a correr à volta da rotunda com uma bandeira de Portugal. Já fumei os meus cigarros todos.
Se não aparecer mais ninguém nos próximos cinco minutos, vou-me embora.
No próximo quarto-de-hora.
Não. Na próxima meia-hora. É preciso dar tempo aos portugueses para levantarem a peida do sofá.

[escrito directamente no facebook em 2019/07/14]

Anúncios

Tenho a Vontade, mas Já Não Tenho a Idade

Sou muito bom a saltar à corda. Quando era miúdo, as miúdas invejavam-me o jeito para saltar à corda. Saltava com duas cordas movimentadas em sentido contrário uma da outra. Era raro perder. Quase nunca era a minha vez de dar à corda. Eu saltava. Se houvesse um campeonato de saltar à corda, eu ganhava. Não ganhei porque não havia. Mas ganhei duas medalhas em futebol de salão (na altura não havia futsal, isto foi num outro tempo, um tempo antigo e de expressões diferentes para falar do mesmo). A piada das medalhas é que as ganhei como guarda-redes da equipa que venceu, em dois anos consecutivos, o campeonato do colégio. Eu, guarda-redes! Até a mim me custa a engolir, mas foi verdade. É verdade. Na rua, nunca joguei à baliza. Ninguém da Malta da Rua conheceu esta minha faceta. Na rua, eu era um nove. Um descendente de Nené. Nunca sujava os calções. Não corria muito. Andava por ali à mama, como se dizia. Mas estava sempre no sítio certo para colocar o pé e marcar golo. Golos. E dar vitória às minhas equipas. Às minhas equipas construídas na rua. Dois gajos saltavam para a frente um do outro e depois iam andando, um pé de cada vez, um pé à frente do outro, e o tipo que pisasse o pé do adversário era o primeiro a escolher os jogadores para a sua equipa, um de cada vez em escolhas alternadas. Primeiro um, depois o outro. E repetia-se até se acabarem os jogadores disponíveis. Às vezes colocava-se o pé atravessado, como se fosse só metade, para lixar o adversário. Isso não vale, diziam uns. Vale, vale! Sempre valeu, ora!, diziam outros.
Agora, num tentativa estúpida de parar o tempo, tento regressar ao passado através da repetição de coisas em que era bom. Ao Stop. Ao King. À corda. Agarro numa corda que tenho aqui por casa e vou para a rua saltar. Imaginava a glória. Os meus treze anos. Os quinze. As miúdas à volta a gritar por mim. E eu, aos saltos entre as voltas de uma corda, a correr para a glória. E então faço a corda passar por cima da minha cabeça, dou um ligeiro pulo, insuficiente, a corda entrelaça-se nos pés, desequilibra-me, tropeço e caio atabalhoadamente no chão de brita. Coloco as mãos à frente para me aparar a queda e magoo os pulsos. Deslizo na brita e esfacelo os joelhos e os cotovelos. Rasgo as calças. Tenho sangue no corpo. Caiu-me uma das lentes para o chão. Bati com os lábios. Já incharam. Estou cheio de pó. Dói-me a anca. Espero que não me tenha acontecido nada na anca.
Deixo a corda lá, onde está caída. Não quero saber dela. Sacudo-me. Perco a esperança de encontrar a lente. Entro em casa. Penso que os tempos de glória já se foram. E a idade passa por mim a galope.
Entro na casa-de-banho. Dispo-me. Tomo banho. Limpo com cuidado as feridas. Dói-me a alma. Faço uns curativos. Visto um fato-de-treino.
Sento-me no sofá. Estou macambúzio. Acendo um cigarro. Ligo o iPad e acedo ao link para ver o jogo entre a União Desportiva Vilafranquense e a União Desportiva de Leiria para decidir quem sobe à Segunda Liga.
Este é o jogo que jogo melhor. Sentado no sofá. Um cigarro nos dedos. E um copo de vinho na mão. Porra! Falta-me o vinho. Levanto-me e vou buscar um copo.
Empate a uma bola no final da partida. Empate a uma bola no final do prolongamento. O Vilafranquense vence nas grandes penalidades. Foda-se! Despejo o vinho de um gole. Acabo o cigarro. Dói-me o corpo. Dói-me a alma.

A Noite de Cristal

As botas disparavam em força contra mim. Contra o meu corpo enrolado no chão. Vinham de todo o lado. Já não sei quantas eram. As botas. As botas a matraquear-me o corpo. A cara era uma massa de sangue. Os olhos estavam inchados. A língua não conseguia furar a boca. Os lábios estavam grossos. Só via, desfocado, a baloiçar ao pescoço, sobre mim, a cruz de Cristo pendurada num fio. Tombando sobre o meu corpo tombado e massacrado.
Parei de me mexer. Parei de me mexer e eles pararam. Foram-se embora. Ainda houve um que veio dar-me um último pontapé. Uma grande penalidade. Na cara. Na boca. Partiu-me um dente. Mas nem senti. Já não sentia nada. Nem dor. Nem ódio. Nada.
Continuei deitado. Enrolado. Por tempo. Por bastante tempo.
Depois lá tentei levantar-me. A custo. O corpo dorido. Agarrei-me ao banco do jardim para me suster. Para me puxar.
Cuspi. Cuspi para o chão. Uma massa escura. Viscosa. Ficou um fio da massa pendurado à boca. Tirei-o com as mãos. Estavam negras, as mãos. As unhas partidas. Lascadas.
Puxei as calças para cima. Apertei o cinto. Devagar. Olhei à volta. A mochila caída no chão. Aberta. Tudo espalhado. O iPad partido. O Walden do Henry David Thoreau feito em mil pedaços de folhas rasgadas e espalhadas pela relva. A capa baloiçava no rebordo de um caixote do lixo. Acabou por tombar lá para dentro. Deixei-a ir. E aos restos das folhas que o vento espalhava por ali. Deixei-as por lá. Ainda vi uma sweat-shirt pendurada no ramo de uma árvore. Um caderno A4 a boiar no pequeno lago, no meio dos patos. O pequeno Moleskine preto, de capa rija, semi-enterrado na brita do caminho. A tampa da caneta de tinta permanente ainda estava acoplada à capa. O resto da caneta não a vi. Aliás, não via grande coisa. Tinha os olhos inchados. Restava-me uma pequena ranhura. Um fio de imagem. Desfocada.
Doía-me as costas. As pernas. Os braços. A cabeça. O cu. Tinha sangue, mas não sabia de onde vinha. Estava ferido algures, debaixo de todo o sangue que secava pelo corpo. Mas não conseguia perceber de onde vinha.
Cuspi. Não tinha grande força para cuspir. Era mais abrir a boca e deixar cair uma massa de sangue, cuspo e baba para o chão.
Tentei endireitar as costas, mas era um processo doloroso. Continuei curvado. Apanhei a mochila. As coisas a que consegui deitar a mão. Enfiei-as na mochila.
Olhei à volta. Passavam algumas pessoas por ali. Ignoravam-me. Fingiam que não me viam. Por medo. Por nojo.
Pus a mochila às costas e arrastei-me para fora do jardim.
Devia ir a um hospital, pensei.
E pensei melhor.
Vou para casa, decidi.
Tinha medo. Não me sentia seguro em lado nenhum. Uma tareia não me livrava de outra. Tinha de sair da rua. Tinha de ir para casa.
Pensei que estava na Alemanha. Em 1938. A noite de cristal.
Enganei-me. Estava no Brasil. 2018.

[escrito directamente no facebook em 2018/10/08]

Uma Casa Cheia de Buracos

Devia ter ido para a rua.
Devia ter ido atrás dos outros todos para a rua, gritar, gritar a plenos pulmões o meu amor pelo país que acabara de passar à fase seguinte do campeonato do mundo de futebol.
Não consegui.
O meu amor pelo futebol não é assim tão grande.
O meu amor por este país também não me motiva a tanto.
Fiquei em casa agarrado a um copo de vinho tinto que já nem sei o que era. Uma garrafa seguiu-se à outra enquanto enfardava um bocado de broa a acompanhar umas sardinhas em lata enquanto via o jogo.
Depois fiquei mal-disposto.
Nem cheguei a ver a grande penalidade iraniana. Nem o quase-golo que lhes daria a vitória. Nem o desespero de Carlos Queiroz.
Passei a segunda metade da segunda parte a vomitar na casa-de-banho.
Quando voltei à sala, de estômago vazio, já o jogo tinha terminado, o pais estava apurado e a população manifestava-se ruidosamente debaixo da minha janela.
Sentei-me no sofá e enchi a pança com o resto da garrafa.
Acendi um cigarro.
Adormeci com o cigarro na mão.
Um borrão de cinza tombou no sofá e fez um buraco.
A minha casa está a ficar toda assim. Cheia de buracos de cigarros. Cheia de baratas que entram pelos buracos do lava-louça. Cheia de mosquitos que aproveitam as frinchas das janelas quando preciso de um pouco de ar fresco.
No outro dia cruzei-me cá em casa com um rato. Um rato gordinho. Não consegui apanhá-lo. Ainda anda por aí, que eu ouço-o a andar de um lado para o outro. E ontem encontrei cocó de rato no canto atrás do guarda-fatos.
Preciso de o encontrar. E quando o encontrar faço um guisado. E depois convido a minha vizinha do lado para cá vir jantar.
Preciso de conversar.
Preciso de falar e de ouvir outras vozes.
Estou farto de me ouvir a mim.
A minha vizinha parece-me uma boa ideia.
Tenho de encontrar o rato.

[escrito directamente no facebook em 2018/06/26]