Quero Adormecer

Passa das seis e trinta da manhã. Estou acordado há mais de uma hora. Não consigo dormir. Cansei de me virar de um lado para o outro na cama, abrir os olhos e só ver escuridão. Levantei-me e abri um bocado das persianas para deixar entrar um pouco do luar e sentir vida na rua e aqui no quarto.
Está calor. Transpiro. Estou molhado. Empurro o pequeno cobertor e fico só com o edredão em cima de mim. Porque é que não durmo?
Os gatos também andam acordados. Já os ouvi lá por fora. Devem andar aos ratos. De manhã devo ter um presente em frente à porta da rua.
Ontem à noite choveu bastante. Agora não se ouve nada. Nem os galos da aldeia. Espero ter fechado os vidros do carro. Não me lembro se os deixei fechados ou não.
Começo a pensar se os sons leves e suaves de deslocação que ouvi da rua aqui à volta da casa são mesmo dos gatos. E se não forem? São de quê? De quem?
Começo a sentir algum medo. O corpo treme. A boca fica seca. Não consigo engolir a minha própria saliva. Puxo o edredão mais para cima. Para cima de mim. Sobre a cabeça. Tento aguentar o calor que sinto dentro do edredão. E que a minha respiração, presa lá dentro, ajuda a aumentar ainda mais. Não consigo respirar pelo nariz. Quero adormecer e esquecer estes últimos pensamentos. Quero adormecer e escapar ao que lá vem. Quero adormecer.

[escrito directamente no facebook em 2019/02/18]

Anúncios

Mulheres que Já Conheci

Já conheci mulheres assim e assado;
Mulheres que cozinharam para mim e para quem eu cozinhei;
Mulheres que me sustentaram e a quem eu dei vida;
Mulheres com dores de cabeça e que me atormentaram;
Mulheres que me amaram e eu odiei;
Mulheres que eu amei e me fugiram;
Mulheres que me deram banho e eu pintei;
Mulheres orgulhosas e de quem me fartei;
Mulheres loucas, doidas, e que me desnortearam;
Mulheres que me compreendiam e que eu não percebi;
Mulheres que me agarraram com unhas e dentes e de quem eu escapei;
Mulheres louras, morenas, pretas e ruivas;
Mulheres por quem eu lutei;
Mulheres por causa de quem matei;
Mulheres que amei;
Mulheres que odiei.
Enfim, mulheres, como são todas aquelas por quem me deslumbrei.

[escrito directamente no facebook em 2018/09/10]

A Mosca Mole

Estava nu em cima da cama.
Puxei o edredão para baixo, despi-me e deitei-me em cima da cama. Estava à espera dela. Deixei a porta da rua no trinco e vim esperá-la na cama. Era uma surpresa.
Mas a porra da mosca apareceu por ali e nunca mais foi embora. Uma mosca daquelas chatas, moles, que anda ali a voar baixinho, devagarinho, que passam junto aos ouvidos e fazem iiãooo, e irritam, incomodam, dão cabo dos nervos. Pousam em todo o lado. Estão moles mas quando as tentamos apanhar, são sempre rápidas. Mas não tão rápidas que não fiquemos com a sensação que é possível apanhá-las. Mas é raro acontecer. Só com alguma sorte. Ou insistência.
Ela estava atrasada.
E a mosca não ia embora.
Estava a azucrinar-me.
Levantei-me. Agarrei na camisola que tinha largado no chão e pus-me à cata dela.
Abri os estores. As luzes do tecto. Os candeeiros das mesas-de-cabeceira. Tudo para ver melhor. Onde é que andas, minha vaca? disse alto para a mosca.
Vi-a na parede. Levei o braço atrás e mandei-lhe rápido com a camisola em chicote, mas vi-a sair. Eu vi a mosca escapar nano-segundos antes de a camisola lá chegar. Merda.
Agucei o olhar. Procurei no tecto e nas paredes brancas. Nada. Olhei para os lençóis brancos. Para a cabeceira da cama. Para uma mesa-de-cabeceira. Para a outra. Nada também. Foi embora, pensei.
Larguei a camisola no chão. Desliguei as luzes. Baixei os estores. Voltei para cima da cama. E ainda não estava deitado quando a ouvi zunir ao meu ouvido, iiãooo! Parou no meu joelho e começou a subir pela perna acima. Mandei-lhe com a mão aberta. Nada. Foda-se, pá!
Voltei a levantar-me. Puxei de novo os estores. Acendi as luzes. Todas as luzes. Agarrei na camisola e recomecei à procura da mosca.
Olhei pormenorizadamente para cima do móvel. Dos livros em cima do móvel. Nada.
Virei-me para o armário. Vi e revi cada canto das portas do armário. Nada.
E então, vi o ponto negro, solitário, parado na parede branca por cima da cabeceira da cama. E comecei a aproximar-me dela. Devagar. Devagarinho. Com o braço puxado atrás. E a camisola tombada, agarrada pela mão.
Olá! Cheguei!… ouço dizer atrás de mim. Viro-me e vejo-a à entrada do quarto. E continua O que é que estás a fazer aí todo nu?
Eu viro-lhe as costas e resmungo entre os dentes Agora não!, e reparo que a mosca já não está onde estava. Foda-se! Sai daqui que tenho uma guerra para ganhar! disse-lhe, brusco. E ela saiu.
E eu fui à procura da mosca. Tinha de a encontrar.

[escrito directamente no facebook em 2018/08/31]