O Brinco

Todos os dias era a mesma coisa. Antes de entrar, tirava o brinco da orelha. Depois, mais tarde, ao final do dia, quando saía, voltava a colocá-lo.
Era estranho. Eu não contactava com o público. Aliás, eu não contactava com ninguém. Mas tinha de tirar o brinco. Não podia entrar na empresa de brinco na orelha. Brinco na orelha era coisa de bicha, paneleiro, pirata ou marginal. Nenhum destes poderia trabalhar ali onde eu trabalhava.
Para além de mim só havia mais outro como eu, com o qual me cruzava por duas ou três horas por dia, que eram as horas em que os nossos turnos se sobrepunham. Depois havia um velhote, o chefe, que já estava por ali quando a empresa começou, e que nos dava algumas ordens, o que é que poderíamos fazer quando aquilo para o qual tínhamos sido contratados estava feito. Era um velhote simpático com o qual almocei algumas vezes e com quem acabei por ter algumas conversas interessantes. Não tinha muitos estudos, mas compensava com uma vida cheia.
Passava a maior parte do meu horário de trabalho fechado numa cave a contabilizar senhas de refeição. Era impressionante a quantidade de senhas que entravam diariamente. Nunca teria imaginado que circulava tanta senha de refeição pelo país. Todos os dias havia sempre uma quantidade de senhas suficientes para me dar trabalho a mim e ao meu colega, trabalho que fazíamos em turnos diferentes e alternados. Havia uma máquina que contabilizava as senhas e o valor que elas tinham. Nós só tínhamos de organizar pequenos grupos, bem alinhados, sem dobras, nem agrafos, e metê-los na passadeira da máquina que os ia ler electronicamente.
Aquilo tinha sido um trabalho arranjado. Alguém conhecia alguém que conhecia alguém que conhecia a minha mãe. E foi assim que fui contratado. Não foi por causa das minhas competências, boas, nem por causa dos meus estudos, superiores. Foi um trabalho que arranjei porque conhecia alguém e alguém precisou de fazer um favor a alguém e eu fui o favor. Mas era um trabalho de cão. Não era necessário grandes competências.
Aquele era um trabalho quase solitário. Ninguém me via e eu não via ninguém. Um dia o chefe, o velho, mandou-me ao escritório, dois andares acima, para ajudar uma secretária a fazer não-sei-o-quê. Subi dois andares de escadas. Abri a porta e entrei num escritório. Eram só mulheres. Novas e velhas. Todas giras. As mulheres são sempre todas giras. Também gostava de ser mulher para ser gira. Bom, mas fui lá para ajudar uma das secretárias a levar uma grande quantidade de folhas para um outro escritório, três andares mais acima, este já com janelas panorâmicas sobre a cidade, e que era ocupada por um homem. E foi nessa altura que pensei porque é que não podia usar brinco. Para poder subir todos estes andares da empresa e não chocar ninguém com as minhas modernices. Os tempos eram outros. Os homens não usavam saias. As mulheres ganhavam menos que os homens. Os meninos usavam bibe azul e as meninas usavam bibe rosa. E depois lembrei-me do colégio católico onde estudei, um colégio de freiras, colégio misto, em que todos os alunos usavam batas brancos e não havia distinção entre meninos e meninas. E foi então que pensei que fui um miúdo com sorte. Na verdade, a minha vida era uma merda, mas não me podia queixar de ter tido uma má vida. Antes pelo contrário. Sempre tive uma boa vida que foi olhando por mim e teve o cuidado de me manter sempre no lado correcto. Da vida, percebem? Não da morte. Não do ódio. Não da competição. Não do ter de ser melhor que os outro. Da vida! Fui um filho da vida. Da boa vida.
Habituei-me a tirar o brinco da orelha que já fazia em andamento, metros antes de entrar pela porta da empresa. Não era um grande brinco. Era uma simples argola de prata. Uma argola nem muito pequena, nem muito grande. Uma argola que eu já nem veria se não tivesse de a tirar da orelha todos os dias.
No último dia em que trabalhei naquela empresa fui de brinco. Subi ao andar das secretárias. E fui muito elogiado pelo brinco. Especialmente pelas mais velhas. Algumas convidaram-me para almoçar. Lanchar. Jantar. Na tasca lá ao lado. Numa pastelaria da baixa da cidade. Em casa delas. Eu sorri. Agradeci. Mas declinei todos os convites. Disse que tinha namorada, que ela era muito ciumenta e que elas eram todas demasiado bonitas para que a minha namorada não fizesse uma cena de ciúmes. Passaram a gostar ainda mais de mim. Eu ouvi os suspiros que foram largados.
Quando me fui embora, e eu estava no turno da manhã, por isso todas elas estavam ainda a trabalhar, vieram despedir-se de mim. Fizeram um corredor e fui obrigado a beijá-las a todas antes de sair. A maior parte delas nunca me tinha visto antes daquele dia. Mas isso não serviu de nada. Todas quiseram o seu beijo. E eu beijei-as todas.
Nunca mais na minha vida tive de tirar o brinco. Nem sei se ainda o consigo tirar da orelha.

[escrito directamente no facebook em 2019/10/26]

Corto-me

Corto-me, não para libertar a dor, mas para me castigar.
Já cheguei ao final do mês. Do mês que agora começa. Recomeço. Outra vez. Olho a carteira. O fundo da carteira. O fundo vazio da carteira.
Não entendo as regras. A minha iliteracia é selectiva. Mas concreta. Real. Não entendo as regras. Os códigos. A linguagem.
Corto-me. Corto-me com o canivete-suíço. A lâmina cega. Preciso de forçar. Magoa mais. Castiga mais.
Tenho uma casa que não é minha. Um trabalho que não é pago. Um almoço que não é comido. Mas tudo o resto custa-me um olho. Custa-me uma mão. Custa-me a vida. Um café com açúcar. Um pão com manteiga. Um frango assado. Um disco. Um livro. A escola obrigatória. O hospital. Um concerto. Uma bicicleta. Um carro. Uma casa. Uma mulher. Um filho. Um nome.
Corto-me. Uma vez. E outra. Castigo-me.
Escondo-me. No fundo do armário. No fundo da cave. No prédio abandonado. Lá onde já mais ninguém vai. Só as agulhas. As putas. Os paneleiros. Onde ninguém vai. Vou eu. E os que não são ninguém. Não estão nas estatísticas. Mas estão lá. E nas estatísticas. Escondo-me no fundo do fundo, escuro e sujo. Tenho por companhia os ratos e as baratas. Que me roem os dedos das mãos e as orelhas.
Corto-me nos braços. Desfaço as unhas no chão de cimento à procura de uma fuga. Mas não saio daqui. Não sei para onde ir. Não tenho para onde ir.
A minha companhia são os ratos e as baratas que me roem os dedos das mãos e as orelhas.
Corto-me. Corto-me e espero nas sombras que me esqueçam. Que não me peçam o IMI, a Segurança Social, o IRS e o IVA. Que me enterrem numa vala comum e me deixem ser comido pelos bichos até deixar de ser memória.
Corto-me e deixo-me ficar assim. Quieto. Em silêncio. Ali. Onde ninguém vai.

[escrito directamente no facebook em 2019/09/06]

Um Tipo Peculiar num Dia de Chuva

Chove.
Corro para a rua. Aproveito para tomar banho. Vou nu com umas havaianas nos pés. Um pedaço de sabão azul nas mãos. Mas é difícil de tirar o sabão azul do corpo e ainda mais do cabelo. A chuva não tem grande pressão.
Esfrego-me.
Entro em casa. Levo a chuva comigo e vou deixando-a pela cozinha, pelo corredor, pelo quarto. Seco-me e deixo a casa tratar de deixar infiltrar para a cave a chuva que entrou comigo.
Visto umas cuecas.
Preciso de um cigarro. Procuro em todo o lado e não encontro.
Saio para a rua. Desço à estrada. Caminho ao longo da estrada à procura de alguém que me arranje um cigarro.
Um carro. Passa ao lado e acelera.
Outro. Ponho-me à frente do carro. No meio da estrada. Forço-o a parar. Ele pára. Peço um cigarro, assim Olhe, se faz favor, não me arranja um cigarro?, enquanto levo dois dedos à boca num gesto de fumar. O tipo olha-me. Dá-me um maço para as mãos e diz Vai-te vestir, pá. E percebo que estou em cuecas e de havaianas. Agradeço o maço de cigarros. O carro arranca. Aceno um adeus. Levo um cigarro à boca e percebo que não tenho lume.
Ouço uma buzina atrás de mim. Viro-me. É uma camioneta. Uma camioneta de carreira. Afasto-me. A camioneta avança até ao pé de mim. Abre-se a porta. Ouço o sistema hidráulico da porta a abrir. O motorista pergunta se preciso de alguma coisa. Mostro o cigarro apagado na boca. Ele leva a mão ao bolso das calças. Agarra num isqueiro Bic vermelho e manda-mo. Sorri para mim. Agradeço com outro sorriso. Fecham-se as portas da camioneta. Ela arranca. Fico aqui a acenar um adeus e vejo, dentro da camioneta, as caras que passam por mim a rir. Vão felizes, os petizes.
Estou parado. Sozinho. Na estrada. Não passam carros. Nem motorizadas. Nem bicicletas. Nem pessoas a pé. Há silêncio. Um pouco de vento. Estou com frio.
O que é que estou a fazer aqui?, pergunto-me em silêncio enquanto fumo o cigarro.
Volto a perceber que estou em cuecas e de havaianas no meio da estrada. Olho em volta e não há ninguém. Tenho um maço de cigarros e um isqueiro na mão. Subo a casa.
Começa a chover outra vez.
Corro. Não me quero molhar.
Entro em casa.
Tenho fome. Apetece-me panquecas. Descubro o cigarro aceso na mão. Largo-o no chão. Piso-o com as havaianas. O que é que eu preciso? Talvez leite. Farinha. Ovos. Uma frigideira. Acho que tenho tudo.
Largo o maço de cigarros e o isqueiro na mesa da cozinha e páro. O que é que eu ia fazer?
Estou com fome. E frio. Vou vestir-me.

[escrito directamente no facebook em 2019/06/23]