Naquela Época…

Naquela época não havia grande diferença entre o Natal e a noite de Passagem de Ano. A minha mãe passava os últimos dias na cozinha a popularizar odores que enchiam a casa. Havia talvez menos gente na Passagem de Ano. A comida também era diferente. Menos doces. Menos comida de adulto. Mais petiscos. E o que eu adorava petiscos. Também se bebia mais. Não eu, que tinha direito ao mesmo copo de sumo de laranja da Superfresco no Natal e na Passagem de Ano, mas os meus pais diversificavam o que bebiam e que eu ia percebendo pelas diferentes garrafas que se iam abrindo. No Natal era mais o vinho tinto, de garrafas iguais que se iam despejando, umas atrás das outras, enquanto que na Passagem de Ano mudavam frequentemente de garrafa de tipo de bebida e as garrafas não eram bebidas até ao fim. Com excepção do espumante que vertia metade para o chão da sala, sobre a alcatifa que, anos mais tarde, seria toda levantada e o chão de madeira afagado até porque a alcatifa fazia mal à minha bronquite, e o resto era despejado pelas goelas dos meus pais, aos poucos, e a mim era dado a provar um pouco daquelas borbulhas que me faziam impressão no nariz e que jurei nunca vir a gostar. E a verdade é que não gosto muito de espumante. Mas chega a noite da Passagem de Ano e, se ainda estiver em pé, é que há anos em que não chego acordado à meia-noite, já para não falar das Passagens de Ano que faço agarrado ao lava-louças, a lavar a louça do jantar e a evitar falar com quem quer que seja com quem me incompatibilizei por qualquer motivo tão estúpido quanto sem sentido e do qual já nem sei a razão, despejo uma garrafa pelo gargalo e no final arroto sonora e satisfatoriamente para gáudio da criançada que por qualquer azar do destino por cá se encontre.
Naquela época ainda acreditava no Pai Natal, em unicórnios e na bondade do homem. Naquela altura tudo isto me parecia mágico.
Agora a magia termina quando a carteira fica vazia. E tão facilmente ela fica vazia.
Agora sento-me na varanda, uma mantinha por cima dos ombros, e aguardo o fogo-de-artifício que a câmara municipal faz questão de mandar do alto do castelo. Tenho um volume de cigarros e um pacote de dez litros de Capataz. Deve chegar até à meia-noite e mais alguns minutos a acompanhar o fogo-de-artifício pelo ano novo dentro. Depois vou deitar-me. Talvez já bêbado. A desejar que o ano que se abre seja melhor que o que se foi. E doze meses depois perceber que é sempre igual. É sempre tudo igual. A história repete-se. E a minha vida também.
Estou um velho chato e demente. No meu tempo é que era bom. No meu tempo, no tempo em que os meus pais é que tratavam de tudo e eu não precisava de ser nada mais que um miúdo traquina que os pais amavam mais que a vida, é que as Passagens de Ano eram boas.
Agora só quero que tudo passe o mais rápido possível para que a vida recupere o seu regular caminho igual, monótono e chato com que consigo lidar todos os dias.

[escrito directamente no facebook em 2019/12/31]

Ainda Aqui Estou à Espera, a Salivar

Era novo.
Tinha dezasseis anos. Dezoito. Vinte. Finquei os pés no chão. Queria o que queria. E ia fazer tudo pelo que queria.
Fartei de correr. Agarrei com unhas e dentes. Parti dedos. Feri a boca. Sangrei o coração. Desloquei o maxilar. Insisti.
Entre o tempo, os dias magros de chuva miudinha e as noites negras, de lâmpadas fundidas, passei muito tempo no Estádio. Sentado solitário a uma mesa cheia de gente no meio de outras mesas. Outras mesas todas cheias de gente. Sempre muita gente.
A cabeça pendente sobre o peito. A enrolar um cigarro. A enrolar um charro. A agarrar uma média Sagres. A beber pela garrafa. Nunca beber imperial no Estádio. Nunca.
Entrava lá sossegado. Silencioso. Na companhia das mulheres do bairro que ainda restavam por ali, àquelas horas vespertinas. Ainda tão cedo e vazio que ouvia o eco da minha voz quando pedia, de forma sonora, uma cerveja. Um brandy Croft quando mais abonado de dinheiro. Macieira quando as coisas corriam mal. E tanto que elas corriam mal.
De tempos-em-tempo, um renovar de esperança. Um recomeço. O corpo a perder a postura do falhanço. Re-crescia centímetros. Os que tinha perdido. Voltava a ser gente. Voltava a ser grande. Enorme. O mundo era meu e estava pronto para o devorar.
Mas…
Estou velho.
Já tenho… Já nem sei quantos anos tenho. Muitos, com certeza. Perdi-lhes a conta.
O Estádio já não existe. Já não se fuma nos sítios onde perdemos as horas da nossa vida. Nem eu fumo já. Nem cigarros, nem charros. Troquei a cerveja, o brandy Croft e a Macieira pelo copo de vinho. Copo de vinho tinto. Que pode ser de pacote. Capataz. Cinco euros a caixa de cinco litros.
Já não corro. A bronquite não mo permite. Já não tenho dedos. Parti-os todos a tentar subir a parede do El Capitán. Os dentes comi-os. Tinha fome.
Já não quero ir a lado nenhum. Já não quero ser nada. Já não ambiciono ser nada.
Quero só estar por aqui enquanto por aqui estiver.
E quero estar sossegado. A ver a morte avançar, sorrateira, disfarçada. Cheia de lantejoulas. A ouvir canções em streaming. A ver filmes pirateados. A ler PDF’s de livros cheios de direitos de autor e de herdeiros. A olhar de esguelha para as notícias na televisão. As notícias banais de gente banal a morrer de forma tão banal. E eu com a língua de fora. Como os cães. A salivar.
E ainda aqui estou. À espera. A salivar.

[escrito directamente no facebook em 2019/04/22]

Gustavo Santos

Eu vou dizer, em público, algo que nunca disse mas que, no meu íntimo, sempre ansiei gritar alto e em bom som: eu gostava de ser o Gustavo Santos.
Pronto.
Disse.
Se eu fosse o Gustavo Santos era uma pessoa feliz. Muito mais feliz do que alguma vez teria imaginado ser possível. Passaria a ser uma pessoa com respostas para todas as minhas questões. E se elas não são poucas!
Aliás, a minha vida deixaria de ser uma vida de procura de respostas para passar a ser uma vida de criação de perguntas. As respostas eu já teria, só me caberia procurar conceber as perguntas. Haveria algo mais artístico que a criação de questões? É que respostas toda a gente tem. E quem não tem, imagina que tem.
Enquanto estou a escrever este texto, tenho, como pano de fundo sonoro, lá muito ao fundo, todas as respostas para os problemas do BES, do GES, do Ricardo Salgado, do Engenheiro Sócrates, do Zeinal e outros que me vão escapando por a beleza de Gustavo Santos tudo ofuscar.
Como raio é que ainda há perguntas sobre estes assuntos?
É como os incêndios de Pedrogão e os homens das madeiras. A resposta está dada e nem foi preciso a sapiência do Gustavo Santos, bastando, para tal, a investigação de Ana Leal. Não deveria agora a Polícia Judiciária colocar algumas questões? Ou, se calhar, pedir a criação de uma nova cadeira à ESAD-CR. Estaríamos no limiar da liberdade criativa absoluta cujo fim não era o final mas o seu início.
Acho que já me perdi um bocado, mas não faz mal.
Desengane-se quem julga que, com este mero texto, estou a tentar fazer uma torpe comédia. Não sou, nem anseio, ser o João Quadros, o RAP ou o Bruno Nogueira. Esses são só medianamente bons e limito-me só a apreciar a coisa pouca que têm para me dar.
Já o Gustavo!…
O que a minha vida teria mudado se, no meu secundário, no século passado, em vez de andar a perder tempo com Nietzsche, Wittgenstein, Barthes ou Foucault, eu tivesse sido apresentado à obra de Querido, Mudei a Casa! ou do Big Brother Famosos.
Poderia ser um gajo giro e com pinta, bom aspecto, esperto e autor da melhor máxima das máximas: Treinador é o tipo que treina a dor.
[e não teria de beber este capataz que me está a dar azia e uma dor de cabeça insuportável]
E o melhor de tudo, se eu fosse o Gustavo Santos, não teria de me aturar.

[escrito directamente no facebook em 2018/04/17]