De Regresso

Regresso da minha ausência.
Os gatos correm para mim a refilar. Não param de miar. Parecem dizer-me Oh meu cabrão! Por onde é que andaste? Onde está o jantar?
O cão também se manifesta. Mas está contente. Abana o rabo e salta à minha volta. Lambe-me as mãos. Eu tento afastá-lo mas ele insiste. Os gatos zangam-se com ele. Os gatos zangam-se com toda a gente. Mas dura pouco. Não tarda ignoram-me. A mim e ao cão. Voltam para o alpendre e deitam-se sobre o muro a dormitar.
Ainda há um resto de luz do dia. Muitas nuvens. Nuvens coloridas. Em tons de cinza rosados. Ou tons de rosa acinzentado. Parece um céu roubado ao quadro de algum anónimo renascentista encontrado à venda nas feiras de rua.
Entro em casa. Sinto o cheiro a mofo da casa fechada. Mas gosto de sentir o cheiro da casa no meio do mofo. Gosto de regressar. Vou olhar as prateleiras onde estão os livros. Confirmo que estão cá todos. Que nenhum deles fugiu.
Abro as janelas. Não as vou ter abertas por muito tempo porque o dia está a cair. Mas vai ser o suficiente para arejar a casa e fazer desaparecer a maior parte do cheiro da humidade que paira por aqui.
Dou comida aos gatos para se entreterem e não entrarem em casa pelas janelas abertas. Tenho de fazer redes mosquiteiras para as janelas. Para mantê-las abertas e deixar os gatos, o sardão e toda aquela população alada do lado de fora. Há três anos que me prometo o mesmo. Fazer as redes mosquiteiras. Não me levo muito a sério. Mas um dia destes…
Gosto do silêncio que recupero. Por aqui não há muito barulho. Vou para ligar o leitor de cd’s e desisto. Ligo a televisão. Num canal noticioso. Quero ouvir as notícias. Anda tudo em polvorosa. Parece que se fotografou um Buraco Negro pela primeira vez na vida. Ouço dizer que esta fotografia vem comprovar a Teoria da Relatividade da Einstein. Não entendo como. Nem porquê. Quero tomar atenção ao noticiário para ver se percebo. Acabo a ouvir sobre a nova vitória eleitoral de Benjamin Netanyahu em Israel. Penso que as pessoas continuam a ser o elo mais fraco da democracia. Penso que as pessoas não pensam, são dirigidas por quem lhes diz o que acham que querem ouvir. Penso que as pessoas são um desastre à mercê delas próprias. Penso que os mesmos que conseguem fotografar um Buraco Negro à distância de milhões de anos-luz são também os mesmos que escolhem ser dirigidos por gente menor. Penso que as pessoas procuram sempre um paizinho-idiota que lhes pague as bebedeiras em Benidorm e se ocupe das questões que não querem compreender.
Ainda agora cheguei a casa e já sinto crescer uma pequena depressão.
Mas gosto de estar em casa.
Desligo a televisão. Desligo-me do noticiário.
Abro uma garrafa de vinho. Volto ao alentejano. Tinto.
Sirvo-me de um copo e vou para o alpendre. Acendo um cigarro e sento-me a olhar as montanhas lá ao fundo à espera que a noite caia.
E penso Depois deste copo tenho de ir fechar as janelas. Está a arrefecer.

[escrito directamente no facebook em 2019/04/10]

De Prédio em Prédio à Cata de Oposição

As notícias não eram animadoras. Não, as notícias eram assustadoras. Um verdadeiro horror.
O Coiso ia a caminho do Planalto. Já ninguém podia proteger o Brasil. A força, a ignorância e a intolerância estavam, de mãos dadas, às portas do poder.
Mas o Brasil não era o primeiro. Nem seria o último. Era só um dos mais significativos e importantes. Um verdadeiro laboratório.
Uma série de eventos que parecia não terem nada a ligá-los, acabou por se perceber, mais tarde, serem parcelas da mesma equação.
Ao mesmo tempo que o Coiso fazia o seu caminho em glória, uns sauditas esquartejavam um jornalista opositor ao regime de Riade, no interior de um consulado em Istambul, na Turquia, e depois fizeram desaparecer o seu corpo levando-o em várias malas de viagem. Entretanto, um triatleta português era morto pela mulher e o amante dela, em casa, e o seu corpo depositado a mais de cem quilómetros de distância do sítio da morte, tendo, a mulher, nos fins-de-semana seguintes, passeado a luxúria com o seu amante pelo Festival de Paredes de Coura e por Porto Covo. Ao mesmo tempo um antigo Presidente da República Portuguesa editava um livro onde tecia considerações jocosas sobre os actores políticos do momento e o governo italiano fazia ouvidos moucos à Europa sobre o seu Orçamento de Estado. E, no meio de tudo isso, uma série de tempestades tropicais, furacões e vulcões eclodiram um pouco por toda a parte, seguidos de enormes massas polares frias que puseram, em especial a Europa, de sobreaviso. Mas já era tarde.
O que despoletou tudo foi uma série de atentados falhados, na forma de embrulhos armadilhados, enviados a antigos presidentes norte-americanos moderadores, a milionários filantropos e a estações televisivas de noticias. Os embrulhos foram apanhados a tempo pelos serviços de segurança. E foi isto que levantou a suspeita. Mas já era então muito tarde.
Estávamos na antecâmara do terror que vinha instalar-se no Ocidente. O Oriente há muito que estava esmagado, sem o saber. Já desconfiávamos. Mas estávamos embriagados.
Pouco demorou para as milícias começarem a organizarem-se nos vários países da Europa e da América. Através do WhatsApp as forças das trevas organizaram-se e dominaram os países. Primeiro espalharam-se pelo meio do povo. Como Agentes Provocadores. Depois dominaram as várias igrejas, especialmente as evangélicas. Logo de seguida, entraram pela forças policiais e militarizadas, chão fértil. Quando o poder político, o poder burocrático político despertou já era tarde demais.
Eu fui juntando comida. Umas latas. Conservas. Garrafões de água. Armas. Munições. Tentei encontrar-me com outros como eu. Mas não consegui. Estava tudo com medo. Ninguém se manifestava. Ninguém dizia nada com medo de dizer alguma coisa.
O Facebook, o Twitter e o Instagram, outrora tão cheios de revolucionários, estavam vazios de contestação. Voltaram as musiquinhas. Os gatinhos. Os bebés. As frases feitas e erradamente atribuídas a Gandhi e a Einstein.
No fim, acabei por me fechar em casa. Onde estou.
Descobri, finamente, o que todos aqueles eventos tinham a ligá-los. E, se não for apanhado entretanto, vou contar. Vou contar para memória futura. Para perceberem como chegámos aqui.
Agora eles andam de prédio em prédio. À cata de oposição. De gente do contra.
Eu estou aqui em casa. A casa está fechada. A porta da rua está fechada à chave e com os ferrolhos corridos. As janelas têm as persianas corridas, à excepção de uma, um pouco aberta, por onde escuto o que se passa na rua e por onde sai o fumo dos cigarros que me vão fazendo companhia.
Se nada acontecer entretanto, eles vão chegar aqui a casa. Vão abrir a porta da rua e vão descobrir-me. Mas nessa altura levo uma série deles comigo. É por isso que estou aqui no corredor. Barricado. Com as armas que arranjei. À espera. Com medo. Com medo mas decidido. Vou escrevendo tudo o que me lembro dos factos passados. Para que se lembrem. Para que a memória persista. Eu poderei ir, mas vou cá deixar memória. Antes de ir, vão também alguns deles. Antes de ir… Antes de ir mando-os à merda. Mando-os à merda à minha frente.

[escrito directamente no facebook em 2018/10/24]