Mas Qual País?

Vinha no carro. A TSF na rádio. Era um Bloco Central especial com os dois Pedros do costume e o super-Paulo da Caixa, que já o fora dos impostos e da saúde. Na conversa fiquei-me por um aforismo de Luís Montenegro repetido por um dos Pedros: O país está melhor, a vida das pessoas é que não.
O país está melhor, a vida das pessoas é que não.
Pois não. A vida das pessoas não estava melhor. Mas o país estava? Qual país? Este dos dois milhões de pobres? Dos salários mínimos de quinhentos e oitenta euros? Das pensões de sobrevivência que não chegam a duzentos euros? Dos velhos com terrenos sem futuro perdidos num interior que ninguém quer e que tem de os limpar em tempo recorde? Das pessoas expulsas dos centros das cidades pela ganância? Da pequena e grande corrupção? Dos processos que prescrevem ou desaparecem?
Senti-me deprimido.
O país está melhor, a vida das pessoas é que não.
Cheguei a casa. Acendi um cigarro e sentei-me no sofá, liguei a televisão e recostei-me. Estava cansado.
CMTV.
Manuel Pinho a lidar os deputados. Os Hells Angels. Os hooligans da Juve Leo e o assalto à Academia de Alcochete. A prescrição dos processos sobre as contas dos partidos da democracia. O desaparecimento de uma parte do processo contra Ricardo Salgado.
O país está melhor, a vida das pessoas é que não.
Levantei-me do sofá. O cigarro esquecido na mão.
Um jovem esfaqueado e morto à entrada de casa. Bruno de Carvalho a queixar-se à polícia por bullying do Sporting e a pedir audiência à Procuradoria-Geral da República. O botox da Ana Malhoa. Escolas com salários em atraso e falta de alimentos nas cantinas. Agentes da GNR castigados por passarem poucas multas. Os Maias. CR7. Jesus. O Benfica. Ufa!
O país está melhor, a vida das pessoas é que não.
O cigarro consumido caiu ao chão.
Fui ao quarto. Agarrei no revólver. Saí à rua.
Estava no lusco-fusco. Fim-de-dia. Muita gente na rua. A passear. A caminho de casa.
Comecei a disparar. Comecei a disparar a torto e a direito. Acertei. Acertei. Errei. Acertei.Errei.Errei.AcerteiAcerteiAcerteiErreiAcertei…
Os corpos iam tombando à minha passagem.
Eu estava a ajudar o país.
O país está melhor, a vida das pessoas é que não.
Matei os velhos para poupar nas pensões. Matei as crianças para poupar os serviços de urgência das Maternidades. Matei as outras pessoas todas para poupar o Serviço Nacional de Saúde. Matei brancos e pretos e mulatos e alguns chineses, e homens e mulheres, e alguns gays e trans e travestis para não me acusarem de racista ou sexista.
Matei polícias e médicos para poupar o Orçamento de Estado. Matei professores para evitar mais greves.
Ia limpando tudo à minha passagem.
O país está melhor, a vida das pessoas é que não.
Até que fui barrado.
A minha mãe viu-me a passar e a disparar e, quando passei ao pé dela, e eu não a vi, levantou a bengala e deu-me com ela na cabeça. Com força. Com fúria. Com muitas lágrimas nos olhos. Com muitos gritos de dor.
Eu cai no chão. E disse Obrigado, mãe!
E tudo ficou negro.

[escrito directamente no facebook em 2018/07/18]

Fora da Caixa, mas em Ambiente Controlado

e então era assim: génios claro, claro que sim, a escrever, a pensar, a dizer, a criar, a inventar, a jogar, a pular, a representar, a fazer qualquer coisa extraordinária que o mais comum dos mortais não consegue fazer daquela maneira, assim, como foi feita pelo génio, aquele que aprendemos a amar, mesmo que acabemos a odiar, mas que aprendemos primeiro a amar, por vezes nem tanto por aquilo que fez, por aquilo que conhecemos do que fez, mas por aquilo que alguém disse que fez e da sua importância e que a comunicação social elevou à potencia, às vezes até do mal, porque os génios tombam de um lado para o outro, bastando, para tal, exercitar o seu direito opinativo como qualquer um de nós, mas não o podendo fazer porque é génio e esse não se prende em articulações mundanas estúpidas que só interessam aos idiotas que não têm a genialidade da criação à porta de entrada, e então o génio não pode dizer de ninguém que é um metafísico da meia-foda, muito menos se o metafísico for o Milan Kundera no auge da sua glorificação graças a À Insustentável Leveza do Ser, mesmo que o aforismo parta da língua solta de António Lobo Antunes porque o génio tem de ser respeitoso e impoluto, domesticado, ou quanto muito, exercitar as suas verve irascível e maldisposta em casa alheia porque muito se gosta do escárnio, do maldizer e da asneira se não for em nossa casa, sobre a nossa pessoa e para os nossos ouvidos puros, pudicos e virgens, incapazes de semelhantes vilezas sobre os nossos semelhantes, a não ser que sejam do clube errado, do partido errado, do sexo errado, que prefiram a cor errada, ou nos tenham traído e colocado um belo e pouco recatado par de cornos, ou então glorificar essa maledicência desde que criada, construída e vivida em casa alheia porque o amor nunca é suficiente para aguentar tamanhos dislates de génio dentro de casa, dentro do quarto, dentro da cama, onde não se passa nada mais que a posição de missionário porque somos todos filhos da cristandade, o Natal está à porta e o Pai Natal só dá presentes a quem se portar bem, por isso quer-se dos génios que eles pensem fora da caixa sim, mas em ambiente controlado para não dizerem o que não devem como o Ricardo Araújo Pereira que acabou excomungado pela Fernanda Câncio por não ter dito nada do que ela leu, mas que ela leu e portanto ele escreveu e ele tem graça e liberdade desde que eu não seja o alvo, nem pense que o sou, porque mais importante que a falta de limites ao génio é o respeitinho que é uma coisa muito boa e bonitinha e que cabe debaixo da árvore de Natal durante o mês de Dezembro, ao lado dos presentes, caros e brilhantes que

[escrito para o Jornal de Leiria em 2017/11/23]