Desvairado

O calor faz-me mal. Este excesso de calor que tem estado nestes dias que deviam ser de Primavera mas que nem em Agosto, dão-me volta à cabeça e transformam-me. Fico desvairado. Uma pequena gota faz transbordar o copo.
O pior de tudo isto é que eu sei. Eu sei quando me estou a transformar num monstro. Tenho noção disso. Acompanho par-e-passo todo o processo que leva à minha transfiguração e, no entanto, não serve de nada porque mesmo com essa consciência não deixo de fazer as merdas que faço quando sou levado a isso.
Falo com propriedade. Querem que vos diga? Neste momento, neste momento exacto, neste momento em que vos estou a contar esta história, estou sentado no alpendre, no alpendre onde normalmente estou sentado a olhar as montanhas lá ao fundo, montanhas que hoje estão bem nítidas, que eu já estive a olhar para elas há momentos enquanto fumava um cigarro, mas não agora, porque agora, agora neste exacto momento estou a olhar para as minhas mãos plenas de sangue, de sangue que não é meu, e que pingam nas lajes de cerâmica aos meus pés. Caem pingos nas lajes e salpicam-me as sapatilhas. Também tenho sangue na camisola e nas calças. Mas esse foi apanhado no momento em que dei a primeira martelada na cabeça do tipo. Mal lhe mandei a primeira martelada, o sangue da cabeça jorrou logo para cima de mim. Por momentos deixei de ver. Entrou-me sangue nos olhos. Enquanto limpava os olhos às costas das mãos, enquanto tentava voltar a abrir os olhos, ouvia-lhe o queixume. Um gemido patético para quem momentos antes se exprimia com todo o volume que a garganta deixava cuspir.
O tipo tinha tocado à campainha no portão lá em baixo. Eu estava na cadeira, nesta cadeira, a olhar as montanhas e a fumar um cigarro e não quis interromper a minha contemplação. O tipo insistiu. Deve ter percebido que eu estava cá. O cão foi para lá ladrar, para o pé do portão. Os gatos foram atrás dele, mas deitaram-se em cima do muro a apreciar a cena. Eu via-os daqui, daqui da minha cadeira.
E o tipo colocou o dedo na campainha e esteve assim durante bastante tempo, a tocar, a campainha a tocar, eu a não querer atender e à espera que o tipo percebesse que não era bem-vindo aqui, ninguém estava à espera dele nem queria nada do que ele tivesse para vender. Mas não. O tipo era um daquele tipos de sorriso fácil, simpático, demasiado simpático, sempre alegre e contente, daqueles que me enervam logo mal olho para eles e nunca percebem quando não são queridos, quando lhes dizem não, quando as coisas acabam ou nem sequer começam. Eu vi isso tudo quando cheguei lá abaixo. Porque ele pôs o dedo na campainha e não o tirou.
Eu levantei-me da minha cadeira, da cadeira onde tinha estado sentado no alpendre a olhar as montanhas lá ao fundo e desci as escadas para o quintal. Apanhei, num degrau, o martelo com que tinha estado a pregar uns pregos na sala para pendurar dois quadros de um amigo meu artista plástico, muito bom, por sinal, mas que ainda não tem mercado, eu fui o primeiro comprador de um quadro dele e ele ofereceu-me outro, peguei no martelo, nesse martelo com que preguei a arte na sala, e desci a alameda até ao portão.
Abri-o e parei em frente ao tipo.
Ele tirou o dedo da campainha e disse-me Trago-lhe o melhor pacote de TV por cabo que possa imaginar. E eu só consegui dizer Não vejo televisão! quando senti o meu braço puxado atrás e lançado para a frente, rápido, rápido e com força, e lhe desferi o primeiro golpe que lhe tirou logo o sorriso-pepsodent da cara. Ele cambaleou e caiu quase logo de seguida ao primeiro golpe. Mas eu não consegui parar. Senti-me eufórico e desferi-lhe mais três ou quatro golpes, que depois parei de contar, perdi-me, esqueci-me, sei lá, e só parei quando senti o braço dormente e a cabeça do tipo feita numa pasta mole e disforme.
Foi quando voltei a mim e percebi o que tinha feito. O calor. A merda do calor. O calor enerva-me.
Depois voltei cá para cima e telefonei à polícia. Estou aqui à espera que eles cheguem. Deixei o portão aberto. Para eles entrarem.
Vou buscar um copo de vinho. Está a apetecer-me um copo de vinho. Vou beber um copo de vinho e fumar um cigarro…
São as sirenes que ouço, não são? Já lá vem a polícia. É melhor acender já o cigarro.

[escrito directamente no facebook em 2020/05/29]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s