Trata-a Bem!

Lembro-me que começou tudo quando a conheci e comecei a sair com ela. Nem era ainda namoro. Saía com ela. Íamos a sítios públicos juntos. Encontrava amigos com ela do meu lado. E começou quando alguns dos meus amigos, que também eram amigos dela, me disseram Agora estima-a! Trata-a bem, se não, temos problemas, nós os dois.
Começámos a namorar. Não a trates bem, não! E eu nunca percebi esses avisos. Como era possível não tratar bem alguém de quem gostava?
Casámos. Os amigos continuaram com a história. Agora já não era só os amigos em comum. Agora também eram os meus amigos que se tinham tornado amigos dela. E também eles diziam Trata-a bem!
E eu tratei. Não porque me tinham dito para o fazer. Mas porque sou assim. Gosto de quem gosto e gosto até ao fim. Quando acaba, acaba. Mas gosto de tratar bem a quem quero bem. Aliás, nem penso como pode ser de outra maneira. Não trato mal as outras pessoas.
Mas o casamento começou cedo a azedar. Afinal ela não era como eu pensava que fosse. Eu, provavelmente, também não era o que ela queria que eu fosse.
Não durou muito tempo, o casamento. Quando nos separámos, reparei que estava sozinho. Sem nada nem ninguém. Ela levou tudo o que era nosso, mais algumas coisas que eram minhas (a minha colecção de vinis!) e ainda levou todos os amigos e conhecidos. Não deixou ninguém a quem encostar a cabeça ao ombro e chorar. Ninguém com quem mandar uns copos goela abaixo a maldizê-la, a ela e à minha vida.
E foi a minha sorte.
Sem companhia para os copos de esquecimento, virei-me para a escrita.
Passei as noites a escrever. Escrevi muito. Primeiro umas crónicas que foram publicadas num jornal local. Depois uns pequenos contos que foram publicado numas revistas literárias. Por fim um livro que foi um relativo sucesso para alguém que começou a escrever há tão pouco tempo, mas que mereceu uma segunda edição e um adiantamento considerável para um segundo livro a publicar no prazo de um ano.
E ela?
Ela foi com os amigos. Os dela e os meus. Passavam as noites no Escondidinho. Depois iam para o Lagoa, até aquilo fechar e serem expulsos de lá para fora, e terminavam as noites na Ala dos Namorados. Copos de três. Não sei quando é que começou a beber assim. Enquanto vivemos juntos, bebíamos esporadicamente. Depois, pelo que fui sabendo, era todas as noites. Fui percebendo que os amigos iam tratando dela. Magoou-me imenso, no início. Depois fui esquecendo tudo. A ela. Aos ex-amigos. À relação frustrada que tínhamos tido. Até as aventuras nocturnas dela.
Voltei a saber dela hoje. Por causa do acidente. Parece que andava com uma informação para eu ser o avisado no caso dela sofrer algum acidente. Não sei porquê eu.
Telefonaram-me perto das seis da manhã. Um acidente a caminho da Ala dos Namorados. Um Fiat Punto com seis pessoas lá dentro, espetou-se de frente com um camião cisterna. Morreram todos os ocupantes do Fiat. O motorista do camião sofreu somente algumas escoriações. Por sorte não houve explosões. Nem incêndio. Mas os corpos ficaram muito danificados. Não tinham a certeza, precisavam de confirmação das autópsias, mas parecia que havia demasiado álcool naquele carro.
Não chorei. Fiquei chocado, mas não chorei. Por momentos ainda pensei que a culpa tinha sido minha. Que eu, talvez, não tivesse tratado bem dela. Tratado como me avisaram para tratar. Mas depois percebi que a culpa não era minha. Fiz o que podia fazer. Tentei fazer mais do que o que fiz. Mas tinha sido ela a tratar da sua vida, à sua maneira. Uma maneira que, para mim, era nova. Mas foi uma escolha dela.
Não, a culpa não foi minha.

[escrito directamente no facebook em 2019/08/12]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s