Um Homem à Janela

Queres mais?, perguntou-me. Não, obrigado, respondi.
Ultimamente não andava com muito apetite. Não sei se era do calor. Se era por me sentir gordo. Ou se era do nervosismo de não ter trabalho, nem salário. Mas ela não sabia. Não sabia nada disto. E dava-lhe prazer ver-me comer.
Levantei-me da mesa e fui até à janela da cozinha. Acendi um cigarro.
No prédio em frente, na janela do prédio em frente, também estava um homem a fumar um cigarro à janela. Depois uma mulher aproximou-se dele. Os braços dela envolveram-no. Ele não se virou. Continuou a fumar.
Também a senti aproximar-se de mim. Senti os braços dela sobre o meu corpo. Senti os pêlos dos meus braços a ficarem eriçados.
Continuei a fumar e a olhar para o homem na janela em frente.
Os braços da mulher percorreram o corpo do homem para baixo. Pararam junto à braguilha das calças. As mãos abriram a braguilha. Uma das mãos entrou dentro das calças e saiu com o sexo dele.
Eu estava fascinado a olhar para o homem na janela em frente. Sabia que ele sabia que eu estava a ver e, no entanto, continuou a fumar o cigarro enquanto a mulher o masturbava.
As mãos dela enfiaram-se pelos meus cabelos. Mesmo nervoso, mesmo sem apetite, mesmo sem trabalho, continuava a excitar-me. Continuava a excitar-me com ela. Não precisava de muito para me excitar com ela.
Em frente, na janela em frente, ele acabou por se vir sobre o vidro da janela. Vi o momento em que ejaculou. O momento em o seu sexo cuspiu para a janela da cozinha. Vi a mão a espremer o resto que tivesse ficado por sair. Depois a mão, as mãos, largaram o homem. O cigarro tinha desaparecido das mãos dele. Não vi o que é que ele lhe fez.
Ela encostou a cabeça nos minhas costas. Senti o cabelo dela a roçar sobre o meu pescoço. Fazia-me cócegas, mas eu não disse nada.
O homem saiu da janela e entrou para dentro de casa. Deixei de o ver.
As mão dela deixaram os meus cabelos e tocaram-me no peito.
Acho que estava à espera que me fizesse o mesmo. Acho que, a dado momento, pensei estar a ver-me num espelho. Pensei que a mão descesse até baixo, me tirasse o sexo de dentro das calças e me masturbasse. E comecei a ficar excitado só com a expectativa.
Enquanto imaginava tudo isto ouvi-a falar. Baixinho. Percebi que falara, mas não percebi o quê. E perguntei O quê?
E ela voltou a dizer, desta vez um pouco mais alto Quando é que me vais dizer que foste despedido?
Eu gelei. De repente perdi a tesão. De repente perdi a vontade que ela me tocasse. Mandei o resto do cigarro pela janela para a rua. Continuei a olhar para a janela do prédio em frente. A janela onde o homem já não estava. A janela onde ainda estava um pedaço dele. E disse Não sei!

[escrito directamente no facebook em 2019/05/04]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s