Papo-Seco

Nunca tinha ido àquele Pingo Doce. Era um supermercado novo num sítio que eu não costumo frequentar. Mas estava por lá. Não sei como, despertei por aqueles lados. Nem sei o que lá fui fazer. Provavelmente perdi-me. Perdi-me nos pensamentos. Acontece-me muito. Descubro-me em sítios desconhecidos. Mas nunca tive nenhum azar. Bato na madeira três vezes. Espero que nunca tenha esse azar de me descobrir nalgum sítio terrível que me condene. Regresso a onde estava. Precisava de umas coisas para o jantar. Coisas simples. Poucas. Baratas.
A vantagem do Pingo Doce é que fica sempre na cidade. Em qualquer sítio na cidade. Não é preciso ir para os limites. Não é preciso carro. Autocarro. Táxi. Uber. Nem filas. As únicas filas do Pingo Doce são nas caixas para pagar. Têm sempre menos caixas abertas que as necessárias e se uma pessoa só transporta um item tem de esperar na mesma fila, para a mesma caixa, de alguém que transporta dois carrinhos cheios de tralha.
Fui ao Pingo Doce. Manteiga. Chourição. Daquele muito encarnado e que nos deixa um bafo horrível na boca mas que é barato. Um pacote de vinho. Guardanapos. Acabei por trazer rolo de cozinha que dá para tudo. Para a bancada, para as mãos, para a boca e para a casa-de-banho quando se acaba o papel-higiénico. E normalmente acaba sempre sem avisar.
Passei na área da padaria. Olhei o pão. Todo com aspecto plástico. Sim, estava encerrado em sacos de plástico mas, o próprio pão, tinha um ar plástico. E então vejo: Papo-Secos. Havia papo-secos. Agarrei num saco com… Com quantos pães?… Nem sei… Um dois, três, quatro… Quatro pães metidos dentro do saco de plástico.
Fila. Fila grande. Fila lenta. Olhei para outras duas filas existentes. Mas lembrei-me que não valia a pena mudar. A fila onde estou é sempre a mais lenta. Não é a fila que é lenta. Sou eu que levo a lentidão à fila onde estou. Fiquei. Esperei. Andei. Paguei. Saí.
Fui para casa. Abri o pacote de vinho. Tinto, claro. Despejei num copo de vidro. Sabe sempre melhor assim. Abri o saco do pão. Agarrei numa tábua. Numa faca de serrilha. Abri uma carcaça. Peguei numa faca redonda e espalhei manteiga pela parte de baixo do pão. Abri a embalagem do chourição e agarrei duas fatias que coloquei no pão. Pus o pão num prato. Agarrei no copo de vinho e sentei-ma na mesa da cozinha a olhar para as janelas dos meus vizinhos. Estavam quase todos a jantar, ou em vias disso.
Dou a primeira trincadela e percebi que tinha sido enganado. Porra! Mais uma vez, fui enganado. Não sou esquisito. Sei as limitações da minha carteira. Mas não gosto que me mintam. Compro a manteiga mais barata. Às vezes até margarina. Compro aquele chourição vermelho e com cheiro de loja de ferragens. Compro o vinho de pacote. Já sei ao que vou. Mas agora venderem-me pão de plástico igual a todo o outro pão que lá têm nos lineares da padaria e chamarem-lhe papo-seco é gozarem comigo. É mentirem-me. É passarem das marcas. Arre!
Decidi nunca mais ir ao Pingo Doce.
O meu jantar acabou por ser o pacote de litro de vinho tinto e umas rodelas de chourição encarnado de forte odor. Deitei-me com dor de cabeça. O estômago a remexer-se.
Decidi passar a ir ao Lidl. Tem pão de Rio Maior.

[escrito directamente no facebook em 2018/11/06]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s