Um Gin Tónico ao Fim da Tarde

Estávamos no alpendre a beber um gin tónico. Eu e ela. O calor apertava bastante, mesmo naquele fim-de-dia, e bem próximo do litoral. Sentados no alpendre, eu de calções, ela de vestido leve e fresco, cada um com um gin gelado nas mãos e que rapidamente despejámos, ouvíamos o silêncio que se estendia à nossa frente.
Foi necessário fazer outro. Ela foi fazer. Lembrei-a para espremer bastante limão.
Eu levantei-me para ir colocar música no tijolo que estava colocado em cima de um pequeno aparador frente à janela da cozinha. Ainda não tinha carregado no Play e já tinha decidido não o fazer. Estava-se bem assim, com o barulho da vida à nossa volta.
Voltei para a mesa. Apurei o ouvido. As cigarras. E havia ali algo diferente. Talvez um grilo, não sabia.
Olhei para o céu. Estava azul, mas um azul cinzento. O céu não estava nítido. Havia uma pequena película de neblina. Talvez as poeiras que vinham de África. Talvez.
Ela chegou com o gin. Sentou-se na mesa.
Sorri-lhe. Respondeu também com um sorriso.
Ao fundo, na aldeia, alguém batia com uma martelo. Dei uma pequena gargalhada a pensar no idiota que estava a martelar com aquele calor.
Depois pensei que seria necessidade. E senti-me eu o idiota.
Ao fundo do quintal, vimos passar um carro de instrução. Vinha devagar. Quase que nem o ouvimos chegar. Devia ser eléctrico. A meio da estrada, frente ao muro do quintal, percebemos o carro a deslizar e a desaparecer. Muito lentamente. A escorregar para baixo do muro.
Levantámos-nos.
Conseguimos ver o carro caído no terreno do outro lado da estrada que era mais baixo. E não só deslizou como também rebolou. Tinha capotado. Duas pessoas saíam de gatas de dentro do carro.
Eu pequei no telemóvel e chamei o 112.
Ela sentou-se, de sorriso na cara, e recomeçou a beber o gin.
Eu sentei-me e fiz-lhe companhia.
Ela ainda sugeriu Podemos ligar a mangueira e tomar um banho aqui, no alpendre. Está bem, respondi-lhe.
Enquanto ela agarrava na mangueira e ligava a torneira, eu tirei os calções e deixei que me molhasse, enquanto espreitava o carro da instrução e as pessoas à volta dele. E ainda sorri outra vez.

[escrito directamente no facebook em ]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s