Em Queda Livre

Estava a fazer uma torrada e começou a sair fumo da torradeira. Fui desligar, mas não desligou. Puxei o fio mas só veio a capa de plástico. O fio continuou ligado à tomada. Agarrei numa faca e tentei espetar as torradas. Tirei a primeira. A segunda rasgou-se e a faca espetou-se nos filamentos, deu um estalo, eu levei um esticão e o quadro disparou.
A luz veio abaixo. Tirei o que restou da segunda torrada. Estavam ambas carbonizadas. O fumo espalhado pela casa. Um terrível cheiro a queimado.
Liguei o quadro.
Liguei a máquina do café. Não havia torradas, que houvesse café. Luz verde. Meti a cápsula. Carreguei no botão. O café começou a cair. E continuou. Não desligou automaticamente. Começou a cair para fora da chávena. Para fora da plataforma da máquina de café. Para o balcão em mármore da cozinha. Para o chão. Passando pelos móveis brancos. Carreguei no botão. Nada. insisti. Nada outra vez. Desliguei da ficha. Parou. Mas já estava todo no chão.
Pensei em ir buscar a esfregona. Mas não fui.
Tinha de ir à rua beber um café.
Fui tomar um duche rápido.
Liguei a água quente. Temperei-a. Enfiei-me lá debaixo. Enxaguei-me. Cheguei-me um pouco para o lado. Pus champô no cabelo e esfreguei. Ensaboei o corpo e esfreguei. Enfiei-me de novo debaixo do chuveiro, mas a água estava fria. Gelada. Saí lá debaixo. Mas tinha de tirar o champô e o sabonete. E acabei por ir entrando e saindo, aos berros, a tentar ser mais forte que a água fria. Foi uma dança entre o entrar e sair, esfregar e limpar.
Fui lavar os dentes. A embalagem da pasta estava vazia. Espremida até ao tutano.
Vesti-me. Saí de casa. Fechei a porta à chave e a chave partiu-se na fechadura.
E agora, como é que entro em casa? pensei.
Achava que tinha uma janela aberta. Talvez pudesse entrar pela janela da casa do vizinho do lado. Ou chamar os Mestres Chaveiros e esperar o dia inteiro até que possam cá vir a casa.
Chamei o elevador. Entrei.
Agora estou aqui no elevador. Parado entre o quarto e o terceiro andar. Esta porra não anda para baixo nem para cima. As portas não abrem. A campainha não toca. O telemóvel não tem rede. Tenho um maço de cigarros no bolso das calças, mas não tenho lume.
Que mais me falta acontecer?
E é então que ouço partir um cabo de aço e sinto o elevador a dar um esticão. Está desequilibrado. A fazer ruídos estranhos. A abanar. Espero que não caia, penso. Espero que o outro cabo aguente, volto a pensar.
Então ouço outro cabo de aço a rebentar.
E sinto-me em queda livre.

[escrito directamente no facebook em 2018/07/25]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s