Pelo Buraco da Fechadura

É véspera de feriado. Fim-de-semana grande.
Uma grande parte dos meus vizinhos já partiu para umas mini-férias de Inverno. Foram para o Algarve. Alguns deles têm time-sharing. Outros, casas de família, compradas pelos pais em bom tempo. Uns ficam-se aqui por São Pedro de Moel. Embora lhes doa passar pelo desaparecido Pinhal do Rei. Há ainda alguns que lá vão e voltam ao fim do dia, porque não são abençoados com famílias com poses, mas gostam da maresia e das pevides.
Mas quem não vai para a praia, vai sair hoje à noite. Os cabeleireiros aqui do bairro estiveram a trabalhar sem parar desde as nove da manhã a esticar, encaracolar, cortar, pintar cabelos das jovens secretárias aqui da zona. Notei isso quando fui ao café, à hora de almoço, e reparei como algumas das moças estavam tão bem arranjadas e bonitas.
Eu fico por casa.
Já não tenho paciência para a confusão destes dias. Já lá vai o tempo.
Agora prefiro ficar no quentinho da casa sem ninguém me chatear. Uma pizza por telefone. Um filme. Um livro. E está a noite arrumada.
Mas não.
Os restaurantes aqui do bairro estão à pinha de gente histérica, bêbada e surda. Berram uns com os outros. Mas não estão zangados. Falam assim para se sobreporem uns aos outros e fazerem-se ouvir. Alguns vomitam nos canteiros de flores que os jardineiros da câmara andaram a arranjar para o Natal. Outros encostam-se por aí aos beijos e apalpões e, do alto da minha varanda, percebo que irão mais longe. Vejo pedaços de roupa caídos por aí, braços e pernas que se confundem. Sons que não enganam.
Não saí, mas é como se tivesse saído. A noite e os seus excessos vieram ter comigo. E eu gosto do buraco da fechadura.
Acabei por comer a pizza na varanda enrolado no edredão que fui buscar à cama. Não me consegui concentrar no livro e o filme, só o comecei a ver por volta das quatro da manhã, e mesmo assim, com muitas pausas para fumar um cigarro à varanda e ver como é que estava o casal que há duas horas tentava fazer não sei muito bem o quê e que terminou com ele deitado no chão, a vomitar, e ela a chamar um táxi para o levar ao hospital. Ser jovem é ter estômago.
E eu penso que ainda faltam duas semanas para o Natal. Mas sereno ao pensar que me basta entrar em casa para ter silêncio e a única pessoa que tenho para aturar sou eu mesmo. E depois de pensar nisso, não sei se ria, se chore.
Devia ter comprado um time-sharing.

[escrito directamente no facebook em 2017/12/07]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s