Esta É uma Entrada que Também Pode Ser uma Saída

Destaque

Não sei muito bem o que virá para aqui. Alguns textos, com certeza. Contos, provavelmente. Análise de alguns filmes. Comentários de alguns livros. Esta será uma entrada para qualquer coisa. Também poderá ser uma saída. Espero que não. Logo se vê.

Anúncios

Três Furos em Quinze Dias

Três furos. Três furos em quinze dias. Três furos em três pneus diferentes. Um é azar. Dois é coincidência. Três? Três é…
Coloquei um jogo de pneus há dois meses. Pneus novos, depois de anos a sobreviver a pneus carecas que nunca me deixaram ficar mal. Nunca furaram. Nunca derraparam. Sempre travaram. Sempre agarraram o asfalto.
Há dois meses troquei de pneus. Quatro pneus novos. O carro até sofreu um upgrade. Os pneus valiam quase mais que o carro. Mas não eram um luxo. Eram uma necessidade.
Há quinze dias o primeiro furo. A caminho de uma noite de Sábado. Um Sábado de chuva. Um furo a meio do caminho. Trocar de pneu à chuva. Às escuras. Regressei a casa. Já não houve noite de Sábado. Depois descobri um prego. Um prego enorme. Novo. Direitinho. Espetado no pneu.
Há dois dias o outro pneu da frente. Tinha ido ao supermercado. No regresso das caixas, com os sacos das compras, descobri o pneu em baixo. Mudar de pneu no estacionamento do supermercado. Entre carros e compras. Entre famílias e criancinhas. Toda a gente a olhar. E eu a mudar o pneu. Ali de cu para o ar. Outro prego. Um prego enorme. Novo. Direitinho. Espetado no pneu. Há coincidências.
Ontem ao sair de casa descobri o carro em baixo. Outro pneu. Desta vez um traseiro. O furo anda a dar a volta ao carro. E à minha paciência. Lá fui mudar o pneu. Acabadinho de tomar banho. Ainda com cheiro do sabonete Musgo no corpo e o Basic Homme da Vichi nos sovacos. Outro prego. Um prego enorme. Novo. Direitinho. Espetado no pneu. Não é uma coincidência.
O que é que se faz? O que é que se faz nestes casos?
Eu sei que os pregos foram lá colocados. Não vi quem foi. Não estava lá. Mas desconfio. Tenho quase a certeza. Mas é que é mesmo uma certeza.
Não ando com o carro em estaleiros. Nem faço rallies, nem provas de perícia. Não ando em caminhos de cabras. Sou cauteloso.
Claro que foi propositado. Claro que foi uma declaração de guerra. E eu sei de quem. Desconfio. Mas desconfio com muita certeza. De uma forma muito clara.
E sei onde é que ele vai todos os dias de manhã beber café.
E hoje de manhã fui lá. Espreitei pela vitrina do café. Vi-o sentado ao balcão. De costas. O que é que se faz nestes casos? Respirei fundo. Tentei acalmar o coração. Ganhei coragem. Entrei.
Fiz o caminho da porta até ao balcão de olhos fixos na nuca do tipo. Ele bebia um café e uma aguardente. Parei atrás dele. Respirei fundo de novo. Coloquei a mão esquerda no ombro para lhe chamar a atenção. Ele virou-se. Olhou para mim. Vi o gozo espalhado no olhar dele. Um leve sorriso trocista na boca. Eu levantei o braço direito e deixei cair, com força, o podão na cabeça dele. O podão que ia levar para cortar um pinheiro para árvore de Natal (sou contra os de plástico). Já não o iria cortar. Espetei o podão na cabeça do tipo. Ele continuou sentado. Os olhos na minha direcção. Em silêncio. E começou a escorrer um fio de sangue pela cabeça abaixo. Depois o fio já era quase um pequeno riacho. Os olhos ficaram baços. O corpo tombou um pouco, de lado, mas ficou preso ao balcão, o que lhe davam um ar estranho, ali sentado, uma aguardente ao lado, com o podão espetado na cabeça e o sangue a escorrer pela cara abaixo.
Eu estava calmo. Sentei-me ao balcão. Ao lado dele. Pedi um café. E pus-me à espera da guarda.

[escrito directamente no facebook em 2018/12/13]

Brincadeiras Perigosas

Desatámos todos a fugir. Cada um para o seu sítio. Quase todos nos estaleiros dos prédios em construção. Fazíamos muito barulho. Pisávamos restos das obras. Tubos em pvc. Telhas. Tijolos. Pedaços secos de cimento. Algumas tábuas. Era preciso cuidado com as tábuas que podiam conter pregos. Depois entrávamos nas casas abertas, ainda sem paredes. Sem portas nem janelas. Eu encostava-me a um pilar. Deixava-me escorregar para o chão. Parava de respirar. Sentia o coração a bater muito. Muito e depressa. E punha-me à escuta. A tentar ouvir algum barulho na calada da noite. Ainda ouvia uns passos que logo se extinguiam. Escondiam-se, os passos. O motor do carro estava a funcionar. E aquela voz, invariavelmente zangada, Venham cá! Venham cá, meus caralhos! Eu sei que estão aí! E estávamos. Mas não íamos. Ficávamos ali escondidos. Entre as obras. À espera que o carro arrancasse. Que o carro arrancasse e levasse o homem com ele lá dentro. E que voltasse o silêncio. E então, sim. Eu saía de onde estava. Os outros também. E preparávamos a próxima vítima.
A estrada. A estrada escura entre dois prédios em construção. Uma placa de zinco tombada no chão da estrada. Uma estrada de pouco asfalto. De muita brita. E terra. E areia. E cimento. E tijolos partidos. E buracos. Pronto, buraquinhos. Umas pequenas ausências de asfalto na estrada, restos inacabados que ficavam do abre-e-fecha da estrada para colocar um cano de esgoto, o tubo da electricidade, a conduta da água, o cabo do telefone. Depois, uns de um lado da estrada e outros do outro. Um rolo de papel higiénico estendido de um lado ao outro da estrada. Cada grupo agarrava numa ponta. À altura dos olhos. E esperávamos. Havia sempre um. Havia sempre um carro que se atrevia a passar por ali. Estrada escura, ainda sem iluminação pública. Boa para namorar. Boa para namorar dentro do carro. E então, nós esperávamos por eles. Os carros.
E eles vinham. Com a escuridão da noite. Faróis ligados a seguir a estrada do bairro em construção até um tapume, uma barraca. E, de repente, aquele raio de luz. Os faróis incidiam na folha branca esticada do papel higiénico que reflectia aquela claridade de volta ao carro, ao condutor e ao susto. O condutor, num primeiro momento, assustava-se. Assustava-se com o flash de luz a cruzar a estrada de um lado a outro. E depois, a chapa de zinco a ser pisada. O barulho ensurdecedor na noite. A aldrabar os travões. O carro a pisar barulho e a deslizar em surf citadino. Uma desgraça. Um susto. O medo.
Geralmente os carros davam meia volta e regressavam pelo mesmo caminho. Com fogo no rabo. Alguns, mais afoitos, percebiam a marosca. Brincadeira de putos. Glória de adolescentes. Saíam dos carros e prometiam porrada. Venham cá! Venham cá, meus caralhos! Eu sei que estão ai!.
Uma noite as coisas podiam ter corrido mal. O carro chegou. Cegou com o flash de luz. Assustou-se com o barulho na placa de zinco. Fez um pião ao travar. E enfaixou-se numa betoneira.
Silêncio.
Esperávamos a reacção. Para saber o que fazer a seguir. Mas estava silêncio. Estariam feridos? Mortos? De repente uma porta do carro a abrir. E um tiro. Dois tiros. Três tiros. Desatámos todos a fugir. Desta vez a fugir mesmo de lá. A fugir a sério. Agora já não era brincadeira. Agora, alguém podia magoar-se. Fugíamos para a rua. Para casa. A casa de cada um. O refúgio seguro. O refúgio com os pais. E foi nessa altura que C. escorregou na brita, ao descer uma rampa, caiu, e foi por ali abaixo, a rolar pela brita. Parámos todos a olhar para trás. P. foi ajudar C. a levantar-se. E fui espreitar o carro. E vi um homem parado, ao lado da porta aberta do carro, com o braço direito esticado e uma pistola na mão. À escuta. Mas só se ouvia o silêncio.
P. trouxe C. amparada. C. chorava de dores. Mas chorava baixinho. Muito baixinho. Sabia que não podia fazer barulho. Estava de t-shirt. Os braços raspados na brita, com manchas de sangue. As unhas partidas e pretas. As mãos tentaram apoiar a queda e deslocou um dos pulsos. Estava inchado. As calças de ganga rasgaram nos joelhos e viam-se manchas de sangue a surgir a toda a volta dos buracos rasgados nas calças. C. vinha cheia de dores. A coxear agarrada a P.
Demos a volta por trás, pelos limites do bairro, e voltamos à rua. A rua da segurança. A nossa rua. E nessa noite regressámos cedo a casa. Estávamos assustados. Com medo. E com pena de C.
Na noite seguinte regressámos aos estaleiros. Mas tínhamos de preparar algo de diferente. E mais terrível. E preparámos.

[escrito directamente no facebook em 2018/12/12]

O Cheiro do Meu Pai

Durante anos, ao passar pela casa-de-banho principal, a maior lá de casa, a casa-de-banho onde havia banheira onde se tomavam os banhos de imersão, lembrava-me sempre do meu pai. Via-o lá de pé, de camisola interior de alças, em frente ao lavatório, a fazer a barba. Havia dias em que utilizava máquina. Uma máquina de cortar a barba que fazia um barulho baixo e agudo, parecia uma abelha, bzzzzzzzzzzzz, e que alterava o som à medida que caminhava pela cara. Outros dias espalhava creme, com a ajuda de um pincel, parecia que estava a pintar-se como um palhaço, e raspava com uma lâmina que enfiava numa espécie de martelinho, prateado, pesado mas pequeno.
Durante anos, ao passar por essa casa-de-banho, lembrava-me sempre do meu pai. Era o cheiro. Um cheiro forte do after-shave que eu deixei cair e parti, ali mesmo, no sítio onde o via, quase todos os dias, a fazer a barba.
Eu já tinha alguns pêlos na cara. Nada que alguém visse. Mas eu via. Os pêlos da barba. Da minha barba. Eu crescido. Eu já com barba. Uma penugem que crescia aos meus olhos. Um dia peguei no pincel da barba do meu pai, molhei-o, esfreguei-o no sabonete e espalhei-o pela cara. Depois peguei na pequena máquina de raspar a barba e raspei a espuma que tinha na cara. Nem reparei que a lâmina não estava colocada. E ainda bem. Não me cortei. Não fiz sangue. E fiz a barba. A minha primeira barba. Sozinho. Era um homem.
Passei a cara por água. Sequei-a com a toalha. Agarrei no frasco azul-olho-de-boi com as duas mãos e, quando larguei uma das mãos para desenroscar a tampa, senti-o fugir-me da mão. Olhei para baixo. Vi-a. A minha mão em posição de agarrar mas sem agarrar já nada. Um frasco a cair. A cair por ali abaixo. Vi o trajecto todo. E ainda pude pensar Estou fodido! O frasco caiu. Foi caindo. Até que chegou ao chão. Estilhaçou-se. Mil-e-um pedaços de vidro, já vidrinho, azul-olho-de-boi a invadir a casa-de-banho. Ao mesmo tempo, um duche invertido daquela espécie de perfume a salpicar-me as pernas, os pés, até chegar-me às narinas. O cheiro. Aquele cheiro. Estou fodido!
Nunca mais me esqueci daquele cheiro. O cheiro do after-shave do meu pai. O cheiro do meu pai acabado de fazer a barba. O cheiro do meu pai.
O meu pai não precisou de se zangar comigo. Eu mesmo me encarreguei disso. Zanguei-me. Fiquei triste. Chorei. Chorei por tudo aquilo que fiz. Por ter partido o frasco. Que não era meu. Por querer ter sido o que não era. Por ter feito asneira. Por ter enchido a casa-de-banho de pequenos pedaços de vidro que ainda andaram por lá alguns anos. Por ter feito a casa-de-banho principal da casa ficar com um cheiro perfumado para o resto da vida. Pelo menos foi assim que eu o senti sempre. Aquele cheiro. Nunca mais o esqueci. E com ele, as memórias do meu pai.
Eu nunca mais fiz a barba. Às vezes aparo-a. E nunca usei after-shave. Isso era coisa do meu pai. Eu sou só o filho.

[escrito directamente no facebook em 2018/12/11]

Sou um Erro da Natureza

Às vezes sinto-me assim. Assim como me sinto agora. Não consigo explicar muito bem. É assim como ser e não ser, ao mesmo tempo. Como se estivesse lá no alto, no céu brilhante e lá em baixo, nas entranhas fétidas do inferno. Ao mesmo tempo. No mesmo sítio. A sentir todas as coisas diferentes possíveis de sentir, e senti-las uma-a-uma e percebê-las e distingui-las como camadas diferentes de emoções e, ao mesmo tempo, sem conseguir fazer nada para deixar de estar assim, nesta confusão, onde não queria estar.
Sim, eu sei. Isto não soou muito bem, não é? Soou muito esquisito. É difícil de perceber, não é? Eu percebo. É exactamente a mesma dificuldade que tenho para tentar explicar aquilo que também não percebo muito bem, mas ao mesmo tempo sei, só não consigo explicar.
Vamos lá por outro lado.
Estou sentado num sofá. Sentado não. Enterrado. Com o rabo enterrado pelo sofá abaixo. O sofá está no alpendre. À minha frente tenho uma oliveira. Vejo lá uns passarinhos, nuns ramos, a chilrear. A televisão está na sala. Mas vejo-a ali, por cima dos passarinhos, e vejo a Júlia Pinheiro em alegre chilrear com os passarinhos. Não entendo nada do que diz. Mas fico irritado com o que ela diz. A voz dela dá-me comichão. Coço o corpo. Coço com as unhas. Faço rasgões no corpo. Faço sangue. Há uma nuvem incolor sobre a minha cabeça. Troveja e começa a chover álcool sobre mim. A Júlia Pinheiro olha-me e começa a rir. Acho que está a rir-se de mim. Mas não tenho a certeza. Continua a chover álcool sobre mim, mas o meu corpo não arde. As feridas saram. Uma rapariga, nua, vem com uma bandeja na mão. Vem do interior de casa. Não a reconheço. Nunca a vi cá em casa. Traz um gin, num daqueles copos redondos enormes cheio de coisas a boiar lá dentro. Tira um funil do rabo e enfia-mo na boca e despeja o gin pelas minhas goelas abaixo. Deixa um pires com umas castanhas de caju na mesa ao lado e vai-se embora, a abanar o rabo e a cantar o Jingle-Bells.
Entretanto eu sou o meu pai e o meu avô e os meus filhos e os meus netos. Uns já morreram. Outros ainda não nasceram. Mas sinto-me todos eles ao mesmo tempo. E sinto-me no passado e no futuro. A comer um frango assado com pausinhos e um sushi de chouriço feito no wok. É possível? Pelos vistos é! O frango está polvilhado com zolpidem ralado e é servido numa travessa com o emblema do Benfica. E então percebo que o frango é galinha. Dou os ossos da galinha ao gato do vizinho que caga notas de quinhentos euros e estou rico. Riquíssimo. Multimilionário. E mando um berro à minha vizinha que vive a mais de mil metros de mim que me empreste uma cápsula de Nescafé que se me acabou a noz-moscada. Ela não me liga nenhuma e eu sinto-me triste e contente ao mesmo tempo, porque o café faz-me mal. Posso morrer se beber arábica.
É assim que me sinto. Algures entre uma coisa e outra com tudo misturado e a dar pontapés em pessoas enquanto afago os cães da cidade e nada disto faz sentido.
Perceberam agora? Perceberam agora a dificuldade por que eu passo para explicar como me sinto?
Não é fácil nem simples ser-se eu. É uma coisa muito complicada.
Agora começaram a sair aranhas da parede. Tenho as mão presas atrás das costas. Ou à frente. Não as sinto. Vejo as aranhas a sair da parede. Aproximam-se de mim. Tenho uma imagem da Júlia Pinheiro na cabeça e não sei porquê. Lembro-me de estar deitado na relva da Faculdade de Letras de Lisboa a fumar um charro e ouço uma voz dizer És um erro da natureza! És um erro da natureza! Não sei de onde é que vem a voz. Estou nos anos oitenta. Ou aqui. Ou nas ilhas Faroe. E os GNR eram o Vítor Rua. E o Alexandre Soares. E nem sei porque é que disse isso. Eles não são do Barreiro. Nem eu. A minha cintura é outra. E tem curvatura. A curvatura do Círculo.
Quero Óleo de Fígado de Bacalhau! Mãe! Mãe! Quero o Óleo de Fígado de Bacalhau.

[escrito directamente no facebook em 2018/12/10]

Um Prego no Pneu

Eu ia na auto-estrada. Era de noite e eu ia na auto-estrada. Ia sozinho no carro. Não havia ninguém para além de mim. Era uma noite vazia. Uma viagem tranquila e solitária. Senti uma guinada para a esquerda no volante. Pensei que fosse o vento. Mas não parecia haver vento. O carro endireitou. O volante continuou a seguir as minhas mãos. O carro seguia em frente. Parecia mais pesado. A direcção parecia mais pesada. O carro começou a tentar fugir-me. Eu tentei escutar. Não ouvia nada estranho. Desliguei a música. Nem me tinha apercebido que tinha música a tocar. Desliguei a música e escutei. Parecia haver um som esquisito, mas não percebi bem o que era. A direcção do carro continuava pesada. O carro, agora, parecia teimar em virar à esquerda. Encostei na berma direita da auto-estrada.
Saí do carro. Dei uma volta em torno dele. Numa quase obscuridade não via grande coisa. Não havia carros a passar. Não havia feixes de luz. Parei no pneu da frente do lado esquerdo. Não precisei de luzes. Estava em baixo. Via-se o pneu em baixo. Completamente em baixo. A jante quase no asfalto. Tinha um furo. Pus as mãos na cintura e maldisse a minha vida.
Fui ao porta-bagagens. Abri-o. Olhei lá para dentro. Cocei a cabeça. Levantei o chão do porta-bagagens. Uma roda com ferramentas. Um triângulo, e pensei O triângulo! Tenho de ir por o triângulo. Um macaco. Mais umas coisas que não identifiquei. Tirei essa roda de ferramentas para fora do carro. Lá por baixo, uma roda pequenina com uma faixa amarela. Tirei-a também.
Peguei no triângulo e comecei a andar para trás para o colocar na estrada. Não havia carro nenhum a passar. Não havia. Logo apareceu um carro da Brigada de Trânsito. Ligou as sirenes de luz. Parou na berma depois de passar por mim. Larguei o triângulo no asfalto. Regressei. Ao passar ao pé do guarda disse Boa-noite. E ele respondeu Boa-noite? Já tem uma multa. Eu parei a olhar para ele. Não tinha percebido. Ele tinha um sorriso sacana na cara. Perguntei Como?! e ele perguntou-me O colete? E eu pensei Foda-se!
Procurei pelo carro todo. Não o encontrei.
Comecei a desmontar a roda. Desaparafusar os parafusos. Oh, pá! E força? Aquela porra é apertada com máquina. Tentei fazer força com o pé dentro de uma sapatilha que se dobrava toda com a força. Insisti. Mudei de parafuso. Fui insistindo. Fui mudando de parafuso. Fiquei com a palma da mão direita toda negra da força. Os dedos sujos do pneu. Rasguei uma sapatilha.
Um dos guardas foi colocar-se, com uma vareta luminosa nas mãos, ao pé do meu triângulo, para avisar os carros. Mas não passou nenhum. O outro ficou ao pé de mim a ver as minhas dificuldades. Eu transpirava. Rasguei a palma da mão. Fiz sangue. Finalmente um dos parafusos cedeu. Os outros foram atrás. Mais ou menos.
Enfiei o macaco debaixo do carro. Comecei a dar à manivela. Aquela merda não dá jeito nenhum. Encaixei o macaco no veio. Comecei a levantar o carro. Depois acabei de desaparafusar os parafusos. Retirei-os todos. E o pneu. Olhei para o guarda, satisfeito. Ele abanou a cabeça e sentenciou O colete!…
Voltei a fechar a minha cara. Olhei para o pneu. Um prego. A cabeça de um prego no pneu. Levei-o para o porta-bagagens e mandei-o lá para dentro. Tinha as mãos pretas. Uma delas encarnada do sangue. Peguei no pneu pequenino e levei-o até à roda. Coloquei-o. Apertei um pouco os parafusos. Baixei o macaco. O carro ficou direito no asfalto. Apertei os parafusos. Apertei com força. Apertei com toda a força que tinha. Fiz força com os pés. Carreguei. E disse Quero ver o gajo da oficina a espremer-se todo para tirar esta merda. E olhei para o guarda. Ele não disse nada. Arrumei as ferramentas e o macaco na roda das ferramentas. Uma carrinha parou atrás do carro da Brigada de Trânsito. Também tinha luzes no tejadilho. Outro carro da Brigada? pensei. Não, era o carro de serviço da auto-estrada. Ainda chegas a tempo!, voltei a pensar. Coloquei a roda das ferramentas no porta-bagagens e fechei a porta. Tinha as mão imundas. Limpei-as às calças. O guarda aproximou-se de mim e pediu-me os documentos do carro e a carta. Eu pensei A sério?!, mas fiquei calado. Tirei os documentos da carteira que tinha no bolso das calças. Sujei tudo com as minhas mãos. Uma delas estava com sangue. E suja. E se fico com tétano?, ainda pensei. Passei os documentos ao guarda. Ele pegou neles e começou a escrever num caderno. Aproximou-se o tipo da carrinha e perguntou É preciso alguma coisa? E eu abanei a cabeça. O tipo voltou para a carrinha e arrancou. O guarda acabou de escrever no caderno, rasgou uma folha e entregou-ma juntamente com os meus documentos. Disse Boa-noite! e voltou para o carro. O outro, com a vareta luminosa, já lá estava. Entraram para dentro do carro, desligaram as luzes da sirene e arrancaram devagar. Ao passarem por mim, o segundo guarda baixou o vidro e disse Não se esqueça do triângulo. O triângulo!, pensei. Estou sempre a esquecer o triângulo. O carro arrancou. Fiquei ali sozinho. De novo na escuridão nocturna. Só. Em silêncio. Cansado. Com sangue numa mão. Com as mãos sujas. As unhas cheias de óleo. As calças, a camisola e o casaco sujos. Uma sapatilha rasgada. A cara toda mascarrada, mas na altura ainda não sabia. Fui buscar o triângulo. Mandei-o para o banco de trás. Entrei no carro. E respirei fundo.

[escrito directamente no facebook em 2018/12/09]

Demora a Fazer Efeito

Um breu.
Uma escuridão total. Não vejo um boi. Nada.
Tiro os óculos escuros, mas não ganho grande visão. São dezassete e trinta e já é de noite. Quase. Mas no meio do pinhal, onde eu estou, na estrada que passa pelo pinhal, já é noite quase cerrada. Não há iluminação pública. Não há luar. As luzes do carro são pouco mais que uma vela de cera a queimar no altar em Fátima. Brilha, mas não ilumina.
Este anoitecer tão cedo deixa-me deprimido. Não gosto desta escuridão. Não gosto do frio. Não gosto do Inverno. Não gosto de chá, nem de chocolate quente, nem de um conhaque à lareira. Não gosto da chuva fria e incómoda, da neve e do vento destruidor. Tudo se agrava por se aproximar o Natal. Vejo as pessoas com camisolas grossas de lã e gola-alta. De botas. Casacos de pelo. De penas. De lã. Meias grossas. Gorros. Cachecóis. Ponche quente. Bagaço para a constipação.
Sinto-me deprimir.
Tomo um Cipralex.
Penso que me vai reduzir a libido. Tirar a tesão. E deprimo ainda mais. Esta merda demora a fazer efeito.
Continuo pela estrada ao longo do pinhal e acelero. Tenho pressa em sair daqui. Sinto-me preso. Oprimido pela escuridão nocturna do Inverno. Nem uma estrela para amostra.
Saio do pinhal. Agora cruzo-me com feixes de luz de outros carros. Mas tudo me soa triste. Estas luzes brancas deixam-me nervoso. Irritado. Dirigem-se não-sei-para-onde mas até esse não saber me irrita. Fodam-se, pá!
Chego. Largo o carro e corro para casa. Entro. Acendo uma luz de candeeiro. Duas luzes de candeeiro. Sento-me no sofá e respiro fundo. Gostava de beber uma cerveja no alpendre. Beber uma cerveja e comer uns camarões da Figueira da Foz. Ou umas navalheiras do Tonico, ali da praia das Paredes de Vitória. E ver o sol ir caindo, devagar, lá ao fundo, atrás do mar. No Verão.
O sol já caiu. A lua, não sei por onde anda. Vadia.
Respiro fundo.
Levanto-me e acendo a lareira. Despejo um bocado de brandy num copo de balão e volto a sentar-me no sofá.
Acho que o Cipralex já começou a fazer efeito. Tenho de deitar fora a caixa. Antes deprimido que sem tesão.
Chego-me à lareira. Sento-me no chão. Beberico o brandy. Estou com frio. Mas a começar a aquecer.

[escrito directamente no facebook em 2018/12/08]

Um Miserável com Vida Longa

Foi no final da década. Saí da cidadezinha e fui até à cidade grande. Fui estudar. Para um curso que não acabei. Mudei. Acabei a fazer um curso que não me mata a fome. Deslumbramentos dos anos dourados da juventude. Hei!
Quando mudei de cidade andei uns tempos à procura de qualquer coisa que não sabia bem o que era. Dava-me com os conhecidos da cidadezinha. Com os colegas de curso. Com os amigos da ganza. Ainda não conhecia os sítios. Só as pessoas. As coisas mudaram quando troquei as pessoas pelos sítios. Os sítios são muito mais interessantes que as pessoas. Encontrei os bons sítios. Os melhores sítios. Os sítios que me mudaram a vida. Não mudaram para bem nem para mal. Simplesmente mudaram. Tem sido uns sítios maravilhosos.
Antes de encontrar os sítios fui dando-me com essas pessoas que, de uma forma ou outra, circulavam à minha volta. E fui assim que a conheci. Era amiga de uns conhecidos da cidadezinha. Não, ela não era da cidadezinha. Era de uma outra terrinha, parecida com a cidadezinha, mas sem o ser. Ela também era uma inha. Era uma daquelas raparigas que, mesmo quando fosse velhota, seria qualquer-coisa-inha. Há um estrato social que são as inhas. Nunca foi feito nenhum estudo sociológico sobre estas pessoas, mas devia ser feito. Normalmente são herdeiros de impérios. Normalmente fodem tudo. Não de propósito. Não por maldade. Nem sequer por leviandade. Porque sim. Porque são só inhas.
Bom. Eu conheci essa inha na sua fase New Age. Foi com ela que percebi o que era a Era do Aquário. O Jesus Christ Superstar fez muito mais sentido. E, mais tarde, senti-me muito mais preparado para entrar no mundo bizarro do Alejandro Jodorowsky. Ela era todo signos – quis saber o meu antes mesmo de saber o meu nome. Ela não via caras, nem corações. Via signos. E dava primazia aos chineses. Foi, aliás, o que nos aproximou, ou a ela de mim: eu tinha um daqueles signos chineses fantásticos que toda a gente gostaria de ter mas só uns poucos eleitos têm essa sorte. No início ela era só uma vozinha irritante (tinha uma voz muito aguda, de desenhos-animados) mas acabei por achar piada a todo aquele misticismo astrológico, uma espécie de Oráculo de Bellini que ajudava a passar as longas noites de Inverno quando as aulas eram chatas e falhávamos dias inteiros só porque podíamos.
Uma noite, uma daquelas noites gastronómicas onde se inventavam comidas, um gourmet antes de tempo, experiências loucas de cozinha, tudo a servir de veículo para despachar garrafas de vinho do produtor, sem rótulo, levadas das diferentes terrinhas para os amigos experimentarem, resolveu utilizar toda a sua parafernália esotérica. Leu-me a mão, deitou-me as cartas de Tarot e consultou-me com o I-Ching. E, de toda a lenga-lenga que me foi apresentada, abrindo as auto-estradas da minha vida futura, como consequência das minhas vidas passadas, esta e as outras, só guardei o que me disse no final Nunca vais ter uma grande vida. Vais falhar todas as tuas metas. Nunca serás ninguém importante. Nunca terás muito dinheiro. Não serás um indigente, mas não andarás longe. No fundo, serás um incompreendido. No entanto, haverá sempre alguém que te dará um prato de sopa. Foda-se! pensei. Foda-se! Fiquei ali sentado, do outro lado da mesa, de mão estendida, apático, o dedo dela a percorrer-me uma linha da mão e a dizer mais coisas que já não ouvi, sem saber o que pensar ou dizer. Estive ali uma eternidade. A eternidade e angústia. Depois levantei-me e fui embora. Nunca mais a vi.
Tenho-me lembrado dela, ultimamente, pelo rumo que a minha vida tomou. Nunca esqueci aquelas palavras. Podem não ser exactamente as que disse. O tempo pode tê-las transformado. Mas o espírito era mesmo aquele. E tenho-me perguntado se a minha vida é como é porque era esse o meu destino e ela limitou-se a lê-lo, ou a minha vida é como é porque me senti condicionado pelo que me foi contado?
Ao mesmo tempo que mergulho nesta angústia, penso no Corto Maltese. Sim, não tem nada a ver. Mas tem. Penso na Linha da Vida que ele marcou a golpe de navalha. Rasgou a palma da mão para sobreviver ao mundo perigoso onde respirava. E penso fazer o mesmo. Rasgar uma enorme Linha da Vida na minha mão. Posso ser um miserável, mas quero ser um miserável que sobrevive a todos os génios, inhas e filhos-da-puta, sejam da cidadezinha, sejam da cidade grande, que enchem a minha vida.

[escrito directamente no facebook em 2018/12/07]